27.12.02

desculpem a desatualização, gentes. tou sem internet em casa ainda e aqui no trabalho às vezes fica difícil escrever qualquer cousa. desculpem, meus pimpolhos. dentro em breve voltarei com mais aventuras na aldeia dos smurfs.

ah, temos toca vinil fuderoso em casa agora. e um pufe novo de joaninha fashion. em breve fotos.

20.12.02

gentes, eu recebi esse texto por email. não sei quem escreveu nem de onde o sujeito tirou, mas é muito engraçado:

Estamos em dezembro de 2003. Mano Wladimir está tenso. No colo da mãe, Marisa Monte, ele ainda não conseguiu entender exatamente o que está se passando. Ao seu lado, Carlinhos Brown conversa com Wally Salomão, que cita uma poesia de Caetano Veloso, que dá um brigadeiro orgânico (sem chocolate e sem leite condensado) para Zeca, que leva um pito da mãe, Paula Lavigne. Mano Wladimir está tenso. É a sua primeira festa de aniversário. "Criança sã/De uma rã/Guardiã/Eu sou seu fã/Na manhã/Aramaçã/Cunhã". A música infantil escrita por Arnaldo Antunes especialmente para a festa é a trilha sonora da dança das cadeiras. Nada da Turma da Mônica, nada de atores desempregados vestidos de Pikachu. Aqui a coisa é diferente. MM resolveu ser mãe em grande estilo e contratou a Companhia Bufa de Artes e Performances do Absurdo para animar a festa. Fantasiado de Ed Motta, um ator recita de trás para a frente toda a obra de Eça de Queiroz para algumas crianças. Do outro lado da sala, um grupo de clowns (sim, porque numa festa como essa é proibido ter palhaço) ensaia uma volta à posição fetal enquanto ostenta reproduções dos parangolés de Hélio Oiticica. Num canto, Carlinhos Brown dá uma entrevista para uma repórter da revista Bravo, escalada especialmente para cobrir o evento.
- E aí, Brown? Está feliz com o primeiro aninho do Mano Wladimir?
- É uma coisa da modernidade nagô, no que tange a referência espaço/tempo do ciclo da história humana. O cósmico supremo da realização superlativa, a poética da bioenergia enquanto motor da sublimação ótica. É onde o eu e o tu fundem-se na epiderme inconsciente.
- E o que você deu de presente para ele?
- Pensei na questão do pacifismo, na guerra como catalisador das emoções humanas ao mesmo tempo em que atrai e repudia o ser. A máquina ceifadora que gera vibrações orgânicas, que tangencia e descontinua a unidade solar dos povos.
- Como assim?
- Eu dei um boneco dos Comandos em Ação...

Enquanto as crianças não podem comer o bolo de cenoura, aniz e mel de cana - que traz estampado uma reprodução de O Abaporu, de Tarsila do Amaral, em sua cobertura - Marisa Monte serve a elas copos de suco de gengibre e balas de cravo da Índia. Até que Paula Lavigne tem a idéia de chamá-las para um karaokê. Quem começa a brincadeira é Benedito Tutankamon Pedro Baby, cinco anos e filho de um dos roadies de Arnaldo Antunes, que canta O Avarandado do Amanhecer, de Caetano Veloso. Em seguida é a vez de Zabelê Tucumã Nhenhé Çairã, três anos e filha da empresária de Carlinhos Brown, que canta Ana de Amsterdã, de Chico Buarque. Ao saber que a próxima criança a cantar é a impronunciável Zadhe Akham Mahalubé Sinosukarnopatrionitnafilewathua, filha da copeira de Marisa Monte, Paula Lavigne acha melhor suspender o karaokê.

É hora do Parabéns a Você. Os convidados reúnem-se em torno da mesa. E então, Marisa Monte anuncia uma surpresa: quem irá cantar o Parabéns é Carlinhos Brown. Brown, que andava meio sumido depois de sua entrevista para a Bravo, aparece vestido com um cocar feito de canudinhos de plástico, uma camisa de jornal e uma tanga de folhas de bananeira. Atrás dele, 315 percussionistas da Timbalada, um videomaker e quatro poetas marginais. Brown pega um garrafão de água mineral e começa a cantar sua versão para Parabéns a Você:
- Vim para cantar/A tropicália alegria de um povo/Azul, badauê, zumbi/Ela não me quer/Mas sou um tacle regueiro/Viva o divino samba de João/Monarco na rua/Meu bloco chegou. Arnaldo Antunes se empolga e começa a recitar poesias descontroladamente, Marisa Monte gorgeia e improvisa algumas melodias, a Timbalada toca um samba-reggae, Paula Lavigne cai na farra e Caetano acha tudo "lindo". O videomaker filma tudo e Wally Salomão escreve o release. Os poetas marginais aproveitam a confusão para roubar uns docinhos.

Um executivo de uma grande gravadora, que entrou de penetra, contrata todos os presentes e promete CD, DVD, livro, críticas favoráveis no New York Times, participação de David Byrne e especial de televisão. Para comemorar, Arnaldo Antunes põe um disco de Lupicínio Rodrigues. O ator vestido de Ed Motta cospe fogo. Marisa Monte lê Mário Quintana em voz alta. Mano Wladimir chora. É a sua primeira festa de aniversário.

19.12.02

Tcherererêkundu

Quero peidar quero cagar
tem sonda no carro são
a lua louca lick me
Quero peidar quero cagar
Tcherererêkundu carro
Apagou no lundu.
Lá vem mãe ivone

Bis

Bahia, glória do goitá, praga
Encontram meu avô, Iansã
O beijo besta tem benção
água mole não quer pedra dura
Mas eu quero peidar, quero cagar


Repita 87 vezes até levar um tiro.

faça você também a sua letra tribalista!

17.12.02

pronto. me mudei. semana passada foi o estresse de levar as coisas, das coisas caírem em cima de mim e da nóia do pé machucado que nem doía tanto assim. e foi a semana do estresse da apresentação do trabalho no congresso de iniciação científica, que eu não queria participar desde que terminou o período da bolsa. bom, até que nem doeu tanto. soube que ia apresentar essa droga essa semana, preparei tudo na sexta-feira e no sábado eu apresentei à tarde. minha mão tremia mais que tudo no mundo. e o pior, tremia em cima do retroprojetor. e minha mão tremendo projetada na parede. legal. bom, fiz tudo dentro dos conformes, dentro do tempo, apesar do nervosismo, mas vacilei porque não entendi patavinas do que o avaliador do pibic perguntou. o cara não aprendeu ainda a falar português e ainda tinha a língua presa. simplesmente respondi "sei não" ao que ele perguntou, que eu daria tudo pra saber o que foi. mas eu queria mesmo era me livrar daquela merda toda e ganhar meus pontos bomclube, mesmo que fossem poucos. terminei, ê, e ainda fiquei pra ver as outras apresentações bostas.

bom, mas o legal é que eu me mudei, gentem. e agora tenho geladeira e comida em casa. e minha cama e guarda-roupa chegaram ontem. e eu não contei uma historinha curiosa que minha mãe contou esses dias pra mim. quando eu tinha uns dois pra três anos, meu irmão era bebê e eu tinha ciúmes dele. eu fazia draminha do tipo deitar no chão do corredor, na frente do quarto da minha mãe e chorar, berrar de sofrimento. um belo dia eu resolvi sair de casa. é, sair de casa, com 2 anos e pouco. juntei umas roupinhas, umas FRALDAS, meu dedeto e fui saindo pelo portão, chorando, dizendo que ninguém naquela casa gostava de mim. é muido desaforo, né? aí minha mãe me convenceu de que era melhor eu esperar amanhecer pra ir embora e eu acabei concordando. eu sei que depois eu esqueci de sair de casa.

só que agora, 20 anos depois, eu fui embora de verdade. talvez eu volte, talvez não. não sei como estará minha vida daqui a um ano por exemplo. pode estar a mesma merda de sempre, mas a gente sempre espera uma reviravolta na vida da gente, né? pois.

12.12.02

eu não sei, mas devo ter alguma coisa mágica que atrai objetos (geralmente de grande porte) pra cima de mim. sim, pra cair em cima de mim. acho que já contei dos episódios das janelas que caíram em mim quando eu era bem mais jovem, né? aquela história que tinha uma mendiga pedindo comida no portão do prédio e eu ofereci o tubo de cola tenaz que eu tinha na mão e em seguida caiu uma janela do primeiro andar em cheio na minha cabeça. já contei sim. e a outra eu estava dormindo e depois que a janela caiu eu estava coberta de cacos de vidros em cima do lençol. sorte (???) que não tinha nenhum vidrinho no rosto. acho que falei também do episódio das caixas de som que caíram sem explicação na minha cabeça, ano passado. eu tava gravando uma fita prum colega meu e as caixas simplesmente caíram, como quem não quer nada. também não rolou nada comigo, só um desmaiozinho de nervosismo puro. pra fechar meu ano com chave de outro, ontem fui levar minha tv e computador pra minha casa nova. meu irmão tirou a tv da parede e colocou em cima da cama. em seguida eu fui desconectar o computador e pra isso precisei deitar no chão por debaixo da mesa. como vocês já podem prever, a tv caiu em cima do meu pé. não sei porque cargas d'água ela não estraçalhou o pobre e também continuou funcionando. na hora dei um grito horroroso, mas mais por causa do susto. e o pé lá, inteiraço. o pior é que por muito menos eu já torci o pé. bom, o fato é que eu não sei que porra de íma é esse que faz com que essas desgraças caiam em cima de mim. se alguém souber onde eu tomo um passe pra evitar acidentes do tipo, me avisem. por enquanto, vou tentar fazer as pazes com meu anjo da guarda.

10.12.02

ontem eu fui (finalmente) pra retrospectiva da fundaj. vi irréversible. TODO MUNDO, sem exceção, tava me alertando que o filme era forte, então já fui meio que preparada pra engulhar. acho que quem passa dos 10 primeiros minutos do filme fica até o fim. aquela cena do início, onde os caras transformam a cara do sujeito (que não era o Ténia) em um prato de miojo é pior do que a tão comentada cena do estupro. sério mesmo, se alguém não viu esse filme pode ter certeza de que, se resistir a esse começo, o resto é só flores. bom, o fato é que eu curti. não é ruim e nem gratuito, como a turma por aí falou. ok, a câmera não precisava rodopiar por 20 minutos no começo, mas ainda assim é marailhoso.
esses últimos dias se voltaram somente para coisas da casa nova. deixei de ir pros 3 primeiros dias da retrospectiva da fundaj por causa da casa. sexta a gente foi comprar o fogão no shopping. aproveitamos a deixa pra dar uma sofrida na tok & stok, pelo menos sonhar um pouquinho com aquelas coisas lindas e maravilhosas que eu nunca terei. ou pelo menos copiar os modelos de móveis. sábado de manhã eu fui na rua do aragão com mami pra comprar minha cama e um guarda-roupa (sim, mamãe não quer me deixar levar a minha cama de casal e o meu guarda-roupa é embutido). constatei (puta) que não, o centro da cidade não é o lugar mais barato pra se comprar essas coisas. pelo menos não é mais. e isso me deixa irada porque as pessoas acabam comprando lá com a ilusão de que estão fazendo um grande negócio. acabei indo comprar minha cama e guarda-roupa onde? na tok & stok. pois é, ironia do destino, né mesmo? claro que não foi A CAMA tok & stok, porque realmente tem muita coisa caríssima naquela porra. mas foi uma cama bonitinha e barata. e o armário menor e mais prático da loja e igualmente barato. e um cabide de chão que foi caro, mas que combinou com a cama. e para a casa, uma poltrona sacco daquelas grandonas. LARANJA. para combinar com o sofá azul.

e ainda ganhei milhões de coisinhas de cozinha da minha tia pema. essas coisas miúdas que quando você junta tudo dá uma fortuna. pelo menos são coisas a menos pra pedir no chá de panela. e ainda deu uma cafeteira elétrica, hehehe. bom, café não é lá uma coisa que se dê muito trabalho de fazer, mas já elimina da lista uma garrafa térmica e uma chaleira, o que já é grande coisa.

6.12.02

Natural%20Born%20Bitch
Quem é você na Xoxota Crew?

brought to you by Quizilla

4.12.02

ontem a gente foi lavar a casa pra poder começar a levar as coisas pra dentro. tenho que ver como eu vou fazer, acho que começar levando as coisas pequenas, como livros, cds e roupas. se possível, um colchão e computador, pra já ir me alojando por lá. lá pra sábado deve chegar a geladeira, o fogão e o resto das coisas. vou pegar carona no caminhão de mudança de moca pra levar minha cama e meu guarda-roupas, que são as coisas maiores que tenho. o resto dá pra levar de carro.

mas voltando à lavagem, que coisa cansativa, bicho! casinha de primeiro andar dá um trabalho besta. primeiro que tudo que a gente comprou (vassoura de piaçava, rodo, balde e panos de chão) foi no 1,99. o rodo parecia que não aderia ao chão, parecia limpador de pára-brisa de fusca, tá ligado? as vassouras precisavam de um xampu de juá pra sanar a queda de cabelo e os panos pareciam que colocavam mais água no chão do que tiravam. ou então foi pura incompetência nossa. uma coisa é certa: aprendi muito com essa primeira experiência como empregada doméstica. eu sempre tive um nojo imenso de pano de chão molhado, lavar banheiro e coisas do gênero. dentro de casa, sempre preferi a cozinha, e mesmo assim, a parte culinária da coisa. lavar prato nunca foi meu forte. mas hoje eu pus a mão na massa sem nojo. era a minha casinha, pô! tava ali, cuidando dela, da limpeza dela pro meu próprio bem estar, e não pro bem estar dos acomodados dos meus irmãos. sério, estar saindo de casa está sendo bom principalmente pra dar um semancol nos dois, principalmente no mais velho. mas isso é uma outra conversa.

o banheiro tá sendo trabalhosozinho porque não tem ralo no chão. tem ralo na banheira, obviamente, que é também o box (um box sem portas, vale ressaltar), mas no chão do banheiro não tem. tem um buraco na parede que parece dar num cano, mas é tão minúsculo que a água passa com dificuldade. quero ver como vai ser pra lavar esse banheiro. quero ver mesmo. os quartos foram limpeza. quer dizer, marromeno, já que a água teve que ser botada pra fora pela escada. mas como esse tipo de coisa só se faz quando chega na casa, então tá valendo. depois que a gente estiver morando mermo, vai ser só varrer e passar pano.

ufa, que trabalhinho de corno. depois de tudo, podres de cansados e de sujeira mesmo, a gente foi curtir uma bichada básica no festival mix brasil. eu vou sempre, todo ano, acho que desde 97. mas dei vacilo nesse e nem fiquei ligada que começou domingo. pegamos o longa de animação, sexy stories. bem legalzinho, uma animação bem tosquinha com desenhos bem corel draw, com outline bem grosseiro e aquela coisa meio tremida. legal. mas não tive físico nem cabeça pra ficar mais duas horas sentada e ver e mais paus e bucetas entrando e saindo, abrindo e fechando e gemidos agudos e graves. preferi ir dormir mesmo.

3.12.02

essa é boa. a letra é de domínio público, mas ficou conhecida na voz e na viola do grande xangai:

ABC do Preguiçoso

Marido se alevanta e vai armar um mundé
Pra pegar uma paca gorda pra nóis cumê um sarapaté
Aroeira é pau pesado num é minha véia
Cai e machuca meu pé e ai d'eu sodade

Entonce marido se alevanta e vai caçar uma siriema
Nóis come a carne dela e faz uma bassora das pena
Ai quem me dera tá agora num é minha véia
Nos braço de uma roxa morena e ai d'eu sodade

Sujeito te alevanta e vai na venda do venderão
Comprar uma carne gorda pra nóis cumê um pirão
Ë que eu num tenho mais dinheiro num é minha véia
Fiado num compro não e ai d'eu sodade

Entonce marido se alevanta e vai na venda do venderim
Comprá dez metro de chita pra fazer roupa pros nossos fiim
Ai dentro tem um colchão véio num é minha véia
Desmancha e faz umas carças pra mim e ai d'eu sodade

Desgramado se alevanta deixa de ser preguiçoso
O home que num trabáia num pode cumê gostoso
É que trabaiá é muito bom num é minha véia
Mas é um pouco arriscoso e ai d'eu sodade

Entonce marido se alevanta e vem tomá um mingau
Que é pra criar sustança pra nóis fazé um calamengal
Brincadêra de manhã cedo num é minha véia
Arrisca de quebrar o pau e ai d'eu sodade

Marido seu desgraçado tu ai de morrê
Cachorro ai de te latir e urubú ai de te cumê
Se eu soubesse disso tudo num é minha véia
Eu num casava cum ocê e ai d'eu sodade
tá foda ficar sem internet em casa, meu, foda mermo. por isso tou tão ausente daqui. mas tá tudo bem, a casa tá tudo certo (pegamos as chaves hoje!) e já estamos organizando o casamento e chá de panela.

tá tudo bem fora uns lances estranhos que vêm acontecendo com meu estômago vez por outra, o que tem me levado a beber menos (ou não beber nada, se possível). eu tava até comentando com kleber que eu tou ficando velha pra certas coisas, entre elas comer porcaria e beber muito. não posso fazer as duas coisas juntas que eu passo mal. ou então, dar um intervalo bacaninha entre uma operação e outra. mas as duas em seqüência já me deram problemas bem sérios duas vezes. acho que desde aquele dia que fui parar no hospital eu tenho tido cuidado (ou obsessão) com o que como (tenho evitado maionese, por exemplo, o que já é um grande avanço). e, mesmo sabendo que é nóia da minha cabeça, sinto vontade de vomitar em seguida. mas eu me seguro porque sei que é só coisa momentânea, que é produto da minha nóia, que vai passar e aí começo a colocar isso na minha cabeça que a vontade passa. tem sido difícil pra mim, que gosto tanto de comer. mas passa, eu sei que passa. então, a cerveja tem me dado azia. uma azia triste, terrível. dá vontade de chorar. tava lembrando há pouco de como eu me estragava há uns anos atrás e nunca tinha problemas. e agora, basta eu comer um porcariazinha na mc donalds que eu não posso beber em seguida que me dá náusea. preciso cuidar das coisas que me nóiam, preciso mesmo.

o fato é que tou a própria caretona. saio pros cantos e bebo refrigerante. quando bebo cerva, dois copos já deixam com brilho. e com azia. então, melhor ficar no refri. mas tá foda, velho. não fumo faz muito muito tempo, tou sem beber mesmo faz tempo também. e confesso que não tem feito muita falta, não. tá legal sair de caras e voltar pra casa de caras e sem ressaca no dia seguinte.

e vocês notaram que faz tempo que eu não falo de consistência de cocô e coisas nojentas por aqui? é, fiz meu tratamento de ameba e estela morreu. pois é. vim notar há poucos dias que estela REALMENTE morreu. agora, as coisas que eu como atacam é meu estômago e não mais o intestino. tá, não sei dizer o que é pior, mas bem que podia atacar o joelho, ou a unha, sei lá. bem que podia ser um órgão não tão relacionado com comes e bebes, né?

29.11.02

ahn, eu nem contei que emagreci nessas duas ou três semanas, né? pois é. perdi 3,5kg no total. tou visivelmente mais magra (já que qualquer quilinho a mais ou a menos em mim é muito visível). é, não sei se digo que tou satisfeita ou que não tou. pelo menos a barriga sumiu um bocado.
pronto. praticamente tudo certo pra nossa mudança. a gente foi lá essa semana conhecer os velhos donos da casa com nossos pais e mães. foi limpeza, aquela coisa de explicar as "regras da boa convivência naquele lugar pacato". o velhinho, seu francisco, é gente boa. tem um marca-passo. e implorou pra não ouvirmos som alto dentro de casa, em hora nenhuma. hehehe, bom, se eu quiser matar o véio, já sei como fazer. moca até pensou em comprar uma bateria, mas eu acho que aí também é demais. bom, no fim das contas a conversa foi além do que eu esperava. já imaginava que ia sair dali pra procurar outro lugar mais legal. mas foi ótima a conversa. foi engraçado quando o filho do véio perguntou as razões da gente estar querendo ir morar ali, os três. eles não conseguiam entender porque a gente tava saindo de casa (se moramos em recife) com o consentimento dos nossos pais. aí foi quando minha mãe disse a maior lorota da paróquia (logo minha mãe, que não mente nunca) "é que eu tenho perspectivas de me mudar pro interior". ahshahshas, na hora eu olhei pra cara dela assim e pensei "putz, será que ela tá falando sério?". minha mãe mentindo pra me ajudar, essa é boa.

bom, agora os contratos já tão na mão, falta só a turma assinar pra pegarmos as chaves. já tou pensando em levar colchão e discos e computador pra lá, só pra já ir ficando. o sorteio dos quartos rolou. antônio ficou com o quarto da sacada (maldito) e eu fiquei com o maior. moca se fudeu com o cubículo. bom, agora é só correr pro abraço e marcar nosso casamento e chá de panela. desde já aviso aos locais: saqueiem coisas de suas casas, panelas, pratos, lençóis, tudo o que puderem. aquela mesinha encostada no quartinho de trás nos serve muito nesse momento de pobreza. se quiserem emprestar a empregada também será de grande valia. obrigada.

26.11.02

é, alguma coisa tinha que dar em merda. tava tudo muito perfeitinho pra ser verdade.

o véio proprietário da casa estilou quando soube que eram "três amigos" (e ainda achou que os três fossem homens e, muito provavelmente, gays) que iam ser os inquilinos. e o pior, ele é vizinho. pior do que vizinho chato (e velho) acho que só vizinho chato (e velho) e dono da casa onde você tá morando. então marcamos com nossos pais pra botar moral no véio lá e mostrar que essa será uma república de respeito.

ontem a gente tava até indo na trapeiros de emaús, um bregueço que penso ser uma ong que recebe doações de objetos usados e reforma pra revender a preço de água. isso pra comprar "móveis" pra nossa casinha. a gente chegou meio tarde (o troço, pra vendas, só funciona nas segundas, das 14h às 16h), mas ainda tinha umas coisinhas trimmassa lá. tinha uma cadeira de balanço daquelas da vovó por 10 reais. de resto, muito lixo também. mas moca comprou um bregueço daqueles de revelar foto preto e branca por 10 pilas e tonho uma máquina de datilografar laranjinha, bem filme de kubrick, também por 10 reais. eu comprei por 1 real um quadro com uma foto muito ducaralho de uma moça que parece mãe da gente em sua tenra juventude. aqueles óculos formiga atômica, aquelas coleiras que tão usando hoje no pescoço, com tachinhas e tal e uma roupinha massa. vamos dar uma limpada no quadro e dar uma warholização maneira pra ficar superdimaiz.

22.11.02

olha as pérolas que eu acabei de receber do compadre hélio:


reparem no charme do chiclete no cantinho da boca


essa magriça aí de cabelo preso é flávia. eu sou a descabelada de baixo

não faço idéia de onde nem quando seja isso, mas pela minha cara eu devia ter no máximo 12 anos. hélio garante que tínhamos menos, mas não revela a fonte das fotos. ganhei meu dia com essas.
eba! chegaram meus pedidos do submarino. eu adoro quando chegam esses pacotões pelo correio, realmente me dá um coisa gostosa por dentro com coisas que vêm com carteiros. vai ver é alguma tara reprimida por homens de roupa amarela e azul e bolsinha de lado, geralmente suados e sujos. sim, mas voltando aos coisos. pedi pro meu irmãozinho músico o livro de hermeto pascoal, "calendário do som". aí na hora resolvi incluir dois livros baratinhos, só pra ver se compensaria o frete - "a revolução dos bichos" de george orwell e "admirável mundo novo" de aldous huxley, por 6 e 7 reais, respectivamente - e, ohhhh!, o frete sumiu misteriosamente. maravilha! e com o preço que ia ficar antes, ganhei mais dois livros :)

mas me deixa falar um pouco do "calendário do som". eu não sabia que hermeto tinha feito esse livro e resolvi dar uma lida. segundo ele, lá por 96 ele começou a receber umas "mensagens intuitivas" que diziam que ele precisava compor uma música por dia durante um ano. e foi o que ele fez a partir do dia do seu aniversário. o livro, então, é composto com a partitura das 366 (porque ele não quis excluir os bissextos) músicas que ele compôs de 23 de junho de 96 e 22 de junho de 97. e é a reprodução da partitura mesmo, com os garranchos e desenhos dele no papel. a letra dele é a coisa mais engraçada do sistema solar. parece a letra do meu sobrinho de 9 anos. e ele sempre termina a música com as frases "viva o som" e "tudo de bom sempre, hermeto pascoal". eu achei aquilo tudo muito ducaralho. a devoção dele pela música é uma coisa fantástica. ele acredita que tem uma missão aqui e que a missão dele é fazer música e priu. isso é muito bonito, na minha opinião. como se fosse levar coisas boas para as pessoas através de suas composições. que coisa linda, minha gente. tive vontade de chorar no cantinho.

mas o mais lindo de tudo são as frases e reflexões que ele coloca no final de muitas dessas composições. parece uma criança falando, tamanha a incência. meu deus, é um doce esse hermeto!

pesquei algumas frases ao acaso:

"disse o mestre caranguejo 'só ando pra trás porque na frente não vejo ninguém pra me desafiar. corro até demais. viva eu'."

"compus essa música pensando muito nos aboios dos vaqueiros tangendo o gado pela estrada e às vezes até tendo que atravessar rios e riachos até chegar lá. tenho tudo isso gravado na minha mente. viva o som, as idéias, as nuvens e as estrelas coloridas"

"boniteza é a beleza da alma, junto com os sons e os animais que mesmo abandonados nos amam"

"um dia após o outro, é como as ondas do mar que se renovam sem parar. a música também embala a alma. viva a vida"

"a música é como o amor, não tem fronteiras; é também como pensamento que jamais terá premeditação alguma porque a morte também não tem. lindo é saber viver"

21.11.02

em outras épocas, eu seria punk. ou hippie. mas vamulá:


Who are you?

20.11.02

é. acho que tá mais próximo meu dia de mudança. mudança geográfica mesmo. não, não briguei com minha família. já tinha vontade de sair de casa, só pra sentir mesmo como é e ter a experiência de morar só ou dividir com amigos as responsabilidades de uma casa. acho que já tou na idade. ok, eu não me sustento ainda, mas minha mãe disse que acha legal que eu vá, pra aprender a dar valor a certas coisas. vou abrir mão de todos os luxinhos que tenho pra me foder e pagar contas mensalmente. acho que vai ser uma experiência engrandecedora, se rolar.

digo isso porque ontem meu sonho de morar em um lugar específico tornou-se mais próximo de ser real. pra quem não mora no recife ou não conhece o lugar, eu vou explicar.

quando eu tinha lá pelos 17, 18 anos, eu gostava muito de andar pelo centro, olhar as coisas, ir pro cinema do parque ou veneza, ver qualquer coisa. sempre adorei o centro. na real, acho que o centro de toda cidade é muito legal, sempre tem coisa muito massa de se ver. pois. um dia eu tava passando com meu ex-namorado mateus pela rua riachuelo e vimos uma ruela dessas que só passam um carro e no fim da rua um troço estranho, árvores e brá. seguimos pela rua e avistamos no fim dela um bar num chão sem calçamento e completamente cheio de árvores. maravilhoso e me lembrou muito o curupira, aquele bar perto da rural, no meio dos restos de mata atlântica. bom, na frente desse bar tem uma rua sem saída cheia de casinhas iguais. uma vila, aquelas vilas antigas, siligaram? o mais interessante é que é uma vila com cara de interior cravada no coração do centro do recife. é muito chapante o lugar.

ontem eu e antônio já estávamos procurando lugar pra morar, pra sair de casa e também pra abrir nosso escritório, o design remoso. e lembrei dessa vilazinha quando estávamos passando por ali por perto. não sei se foi coisa divina, mas na entrada da rua havia uma placa escrito "aluga-se casa nesta rua". quase choro. fomos até lá e a casa estava aberta, pra as pessoas entrarem pra conhecer. pense que ela é linda, parece uma casinha de bonecas. pequena, com um primeiro andar, sacada, terraço e três quartos. o tipo de casa pra se criar filhos pequenos. já imagino aqueles guris de 4 anos andando de tricículo, de cueca, com aquelas percatinhas de couro, catarro escorrendo e chupeta na boca. ai, que coisa linda!

e acho que já estamos decididos a ir pra lá mesmo. é o lugar perfeito, e é no centro, porra! só que a gente não tem mobília, não tem geladeira nem fogão. tem que comprar. sem isso, uma casa não vive. mas acho que com um chá de panela e boa vontade de nossos pais, a gente vai com fé. mais notícias, informo em breve. se tudo rolar e der certo, morarei na vila santo antônio n° 10 :)

18.11.02



gente, a que ponto chegamos, hein?
o baile funk

foi um sucesso. eu imaginava, tava sentindo que ia dar alguma coisa errada, não sabia exatamente o quê. mas tava sentindo. claro, deu um monte de merda no meio do percurso, estresses normais de quem organiza festa, ainda mais pra marinheiros de primeira viagem como nós e principalmente depois da repercussão que o troço teve.

o primeiro problema foi o fato dos djs chegarem perto de 1h da manhã quando a festa tava marcada pra começar as 23h. como eu sou uma pessoa providência gravei três cds com seqüência certinha pra o caso de dar alguma merda. e comecei colocando uma seleção que tinha funkadelic, sly, parliament e bootsy collins. quebrou o maior galhão e tivemos sorte porque a galera tava TODA lá fora e não entrava. finalmente moacir, quéops e cláudio chegaram com o passa-discos e tal e começaram lá. ninguém entrava. vai som, vem som e todo mundo lá fora. percebi que lá de fora ninguém ouvia porra nenhuma do som. sem falar que no bar que tem em frente à elfos tava tocando o maior pagodão, mais alto do que tudo. isso tudo porque as caixas de som da gente estavam viradas pra dentro da casa. depois da brilhante idéia de virá-las pra porta e trocar os funks maneiros pelos pancadões, as pessoas começaram a entrar eufóricas e a fazer fila na bilheteria. em coisa de meia hora a casa estava lotadaça. e foi quase a noite inteira de funks podreiras e a galera indo ao delírio. nunca imaginei que fosse dar tanta gente e que tanta gente fosse se empolgar com aquilo. foi realmente impressionante. eu adorei. tava cansada pra caralho, estressada pra cacete mas consegui me divertir MUITO e SEM UMA GOTA DE ÁLCOOL. passei a noite com uma garrafa de água mineral. hehehe. e foi isso. decidiram mudar o som e voltar pros negões muito tarde e a turma já tava cansada, inclusive eu. mas tudo nos rendeu uma bilheteria legal e fama de festa boa. perfeito.


o fim de semana

no dia seguinte, depois de ir com a minha mãe pro cinema - coisa rara - ver "fale com ela" e chorar muito, muito, recebo uma ligação de flávia com a brilhante idéia de vicente de ir pra maracaípe naquela noite na roubada e voltar no dia seguinte. eba, era tudo o que eu precisava! e fomos eu, flávia, aninha, vincent e carol. chegamos lá perto da meia noite e nem passamos na "casa de apoio" que íamos ficar. fomos direto lá pra vila e foi massinha. depois fomos dormir às 5h da manhã num quarto que definitivamente não era roubada - ar condicionado e caminha pronta pra quando a gente chegasse. maravilha, melhor impossível. e como dormir em praia é pecado, às 8h eu já tava de pé.

mas deixa eu falar da "roubada" em que a gente ficou. era coisa de cinema. uma casa enorme na beira da praia e cercada de coqueiros por todos os lados. acordar, ir praquele terraço maravilhoso, deitar na rede e ver o mar através dos coqueiros era tudo o que eu precisava depois de duas semanas completamente conturbadas e estressantes. mas como nem tudo é lindo, nem tudo são flores... vicente, flávia e carol precisavam ir no recife mas pretendiam voltar ainda naquela noite pra maraca. na hora em que eles iam embora, as véia mãe e tia da turma fizeram meio cara feia quando eles disseram que iam voltar. e rolou um clima meio chato, já que éramos quatro intrusas com o convidado (vicente). mas não foi nada demais, não. relaxei com isso. a casa era maravilhosa demais e aquela não era hora pra ter orgulho e procurar outro canto pra ficar - porque voltar pra recife eu não ia nem a pau.

e teve show de suvaca di prata, igual a sempre. teve gente conhecida. teve sol demais. teve lua linda. céu estrelado e coisas estranhas voando. teve brisa fria. teve beijo, abraço, beijo, abraço e carinho. teve cerva e feijoada. teve caranguejo, água de côco, dominó e baralho. puta merda, era tudo o que eu precisava pra ficar bem.

13.11.02

que festinha cu aquela de lançamento do filme "madame satã", hein? além de cheia de gente palha, os únicos homens bonitos perigavam ser gays. não que isso seja um problema, mas se torna quando você está a fim de olhá-los como mulher. hehehe. na realidade, eu amo demais os gays. eles são bem humorados, boas companhias e geralmente são lindos (talvez porque não tenham vergonha de cuidar do cabelo, pele e roupas). e assumo que sou muito mais homem nesse sentido do que todos os homossexuais que eu conheço. não cuido do cabelo (eu nem sequer penteio), não cuido da minha pele, como porcaria e não tou ligando muito pra tudo isso. enfim, voltando à festa. tinha até uns caras gatos lá, mas eu fiquei temerosa só de olhar. ah, a música. foi ruim, no geral, mas tocaram umas pérolas (desconhecidas pra mim) bem legais. "sunglasses at night", de tiga & zyntherius e um housezão nos moldes do fim dos anos 80 começo dos 90, bem massinha. ótimo pra dançar. vou colocar no cd do bailão! e miss kittin que a cka me indicou certa vez e é simplesmente fuderosa, ducaralhamente dançável (ninguém deve entender esses advérbios que eu invento, shahshah).

pois é, várias musgas do miss kittin e essa sunglasses at night tão há horas aqui no meu winamp.

12.11.02

ok, a gente merece. enquanto uns fazem polêmica desnecessária tentando fazer análise sociológica de uma simples festa, tem gente que apóia.
gente do céu. o baile funk está causando POLÊMICA.

eu só posso rir com uma coisa dessas.
Ciúme
[Do lat. *zelumen < lat. zelus < gr. zêlos, 'cuidado'; 'ardor'; 'inveja'; 'ciúme'.]
S. m. 1. Sentimento doloroso que as exigências de um amor inquieto, o desejo de posse da pessoa amada, a suspeita ou a certeza de sua infidelidade fazem nascer em alguém; zelos. [Nesta acepç. é m. us. no pl.]
2. Emulação, competição, rivalidade.
3. Despeito invejoso; inveja.
4. Receio de perder alguma coisa; cuidado, zelo.
5. Bras. N.E. Bot. Designação comum a arbustos ornamentais, da família das asclepiadáceas, de flores exóticas e aromáticas, vermelhas, róseas, lilás ou violáceas, e cujos frutos têm sementes arredondadas, castanho-claras, de filamentos sedosos, e com propriedades consideradas medicinais; flor-de-seda.

11.11.02

ahn, e esqueci de dizer de quando fomos panfletar lá na gayleria na quinta-feira. uma colega minha chegou e quando viu o cartaz na minha mão disse "ah, essa é a festa oficial do festival de teatro, né?". hsahshhas. disse que não, que quem tava organizando era a gente e tal. daí ela falou que a turma meio que adotou a festa como oficial do festival de teatro. porra, a gente começou a divulgar a festa na quinta de tarde na federal e já tava assim, espalhada no boca a boca. bateu um medinho na hora de dar muita gente e tudo dar errado. marinheiro de primeira viagem, sacomé. mas há de dar tudo certo até lá.

e SIM! pessoas daqui VÃO PARA A FESTA, VIU??? aquela história de saias menores que um palmo vai acabar dando em merda, mas podem ir com suas calças arrochadas aparecendo a marquinha do biquíni e bermudas da saka praia com basqueteiras da m2000.
eu não falei em nenhum momento aqui, nessa semana tão conturbada, mas eu e meus três companheiros de trabalho estamos organizando um baile funk. sim, um baile funk. vai tocar os proibidões mais trash, os goza na boca, goza na cara, goza onde quiser. mas pra ninguém encher o saco, rola um sly stone, um funkadelic, um parliament, um stevie wonderzinho de leve. então, funk pra todos os gostos e rebolados. e antes do troço ficar certo, já tava todo mundo sabendo por causa dos boatos que rolaram. então, pra lala k não sair na frente e roubar nossa idéia de baile, tá feito:



quando? 14/11
onde? elfos
quanto? 3 real

9.11.02

valeu, bg e todo mundo que tá tentando levantar meu ânimo. adoro todos vocês :~~~~



prometo que juro que vou melhorar. o mais rápido possível.
ah, esqueci de dizer uma coisa legal: ontem eu acordei no meio da noite e não tava conseguindo dormir. aí ligo no cartoon network e tá passando o desenho tosco mais legal do planeta: rocky e bullwinkle. alguém já viu isso? o desenho é das antigas, nem sei de quando é, mas imagino que da década de 60. é um alce meio retardado e um esquilo aviador que resolvem problemas. e sempre rola o desenho como se fossem mini-episódios com continuação. é muito engraçado. o vilão é um russo chamado bóris que só se fode e tem uma namorada chamada natasha que parece com a mortícia addams. me lembrou aqueles desenhos que não deram certo, do cartoon network: o cãozinho raivoso (que tinha a musiquinha ninguém passa a mão, ninguém se aproxima, ele está espumando porque fugiu da vacina), rupert (o peixe morto que faz sapateado) e heidi e os tiroleses (acho que foi o desenho mais feio do mundo).
gente, desculpem o meu sumiço, mas as pessoas próximas de mim sabem das minhas razões.

de uns dias pra cá tenho sentido uma ansiedade estranhíssima e sem motivo aparente. distonia e taquicardia me fodendo. e de quinta pra cá, uma tristeza profunda também sem motivo (tá, tem alguns, mas não que expliquem essa tristeza que não passa). ontem eu fui no centro buscar os remédios que o homeopata passou pra alergia e ansiedade e senti uma vontade imensa de voltar pra casa e não fazer mais nada. e foi o que fiz. cheguei em casa e botei pra chorar, coisa muito difícil de acontecer. eu raramente choro, sou daquelas meio duronas e dificilmente me deixo vencer por uma tristezazinha qualquer. mas dessa vez ela me pegou de jeito. não consegui fazer nada o dia todo. o computador não foi ligado um segundo. não li uma linha de nada. não ouvi música. passei o dia deitada na minha cama. e mal comi. a comida não descia direito, me dava uma náusea horrível. comecei a comer um sanduíche de queijo e a boca encheu d'água, como se eu fosse vomitar.

e não me venham falar em depressão porque acho que não é isso. pode até ser mas eu sinto que é algo passageiro, e que vou sair dessa o mais rápido possível porque eu quero sair. estou me cuidando, tentando pensar em coisas boas e se eu estiver legalzinha mais tarde pretendo até dar uma saída.

bom, era esse o meu recado. torçam pra que eu fique legal novamente.

6.11.02

entraram aqui procurando por "sedentarismo", "como acabar com a barriga" e "quero malhar em casa". isso é alguma marcação comigo? tão fazendo de propósito? ou é apenas um sinal pra que eu volte pra a academia? sim, eu só fui duas vezes pra academia! lenda total, hein? eu queria, queria muito perder minha barriga, mas queria assim, num passe de mágica. de repente eu acordasse com ela sequinha. seria uma maravilha. ou ter muita grana pra fazer uma lipo e rezar pra não ter um choque anafilático.

falando em choque anafilático, tou muito preocupada com minhas alergias. segunda à noite, minha colega amélia teve uma crise de alergia. não sabe a que, mas acha que foi por causa do porco que comemos na praia (hehe). ela acordou com o lábio inchado, uma bola grande. o dia foi passando e as coceiras começaram a aumentar; as bolinhas se espalharam pelo corpo e de noite até a cabeça coçava. cheia de bolas vermelhas e coçantes e agonizantes. no dia seguinte soube que até o hospital residência foi chamado, devido à gravidade do troço.

bom, o que me preocupa nisso tudo é que o médico disse que ela precisa fazer urgente o teste de alegia pra não ficar supondo a que ela tem alergia quando começarem essas reações. e que ela pode ter, de repente, um choque anafilático. gente do céu, fiquei muito assustada! eu sou uma pessoa muito alérgica também. talvez não tanto quando amélia, mas do tipo que a cada dia descobre uma alergia nova. e por pura preguiça e desleixo não vou ao alergologista. ontem mesmo, meu corpo todo tava com pontinhos minúsculos e vermelhos. barriga, braços e o rosto também tava vermelho. não sei o que era, nem liguei muito, e depois passou. mas ainda assim fiquei muito preocupada. e decidi, de uma vez por todas, que vou começar um tratamento sério com homeopatia. digam que é placebo, auto-sugestão, digam o que for. o que importa é que funciona. conheço assim de gente que já fez uso e ficou boa. meu pai é a pessoa mais cética do mundo e ficou bom com homeopatia. então, por que não tentar? não tem efeito colateral, já se sabe que dá certo, por que não acreditar que vai dar certo comigo? sinceramente, quanto mais eu ficar longe de remédios alopáticos, eu tou feliz (apesar da grande massa me achar a maior hipocondríaca da paróquia)

5.11.02

hsahshah.
ufa, tou de volta. cheguei da praia ontem mais de meio dia e fui direto trabalhar. como nem eu lembro de tudo o que aconteceu, vai em tópicos mesmo.

¬ maracaípe é uma praia maravilhosa. não, eu nunca tinha ido lá (só fui até porto de galinhas, que é badalação demais). a única coisa ruim é o mar violento, perfeito pros surfistas que sempre estão lá. mas a praia é linda, limpa, azul, deliciosa.

¬ caranguejo é uma das melhores coisas que já inventaram comer.

¬ definitivamente, eu morro de vergonha de ir à praia. primeiro que qualquer solzinho me deixa igual a uma gringa e isso não é lá coisa muito boa. as chances de me cobrarem 10 reais numa água de côco e dum nativo chegar falando um maldito espanhol de novela mexicana são quase 100%.

¬ definitivamente, praia é um troço maravilhoso. e eu descobri que amo o sol, desde que ele não esteja na cidade onde eu moro e ando a pé pra todo canto. sol na praia é a coisa mais legal do mundo. brisa também. e chuveirão também.

¬ acordar às 8h da manhã não foi um suplício.

¬ é ótimo não ficar olhando pra hora o tempo todo, não ter compromissos, acordar pra ir à praia e ficar lá até enjoar.

¬ beber cerveja na beira na praia (e em qualquer lugar em volta dela) é uma delícia.

¬ dançar o samba do mangalóide com daniel peitcholas é a coisa mais divertida e engraçada do mundo. não, não é. é daniel falando espanhol. aliás, daniel é a coisa mais engraçada do mundo.

¬ - sabe onde vende um... bebé?
- ah, meu filho, tem um bar ali do lado.
- não, é um... bebé. onha, maONHA.

¬ jamaica é a mais nova companheira de quarto de regan, a possuída safada, e káita, a ceguinha do interior. jamaica é aquela estudante de licenciatura em desenho e plástica que está super animada porque vai entrar no cac agora e o cac é a maior loucura, meu. faz PSEIRA, usa um chapéu de regueiro com as cores do olodum e com os cabelos pra dentro e tá toda vermelha do sol. mas é a maior farsa: não fuma maconha, é virgem e dorme cedo.

¬ toda praia devia ter uma praça, uma igreja e uma sorveteria para os jovens se olharem.

¬ se você é muito branco, peça a seu colega pra passar UNIFORMEMENTE o bloqueador solar em você, pra você não ficar com aquelas manchas vermelhas de quem chegou perto de água viva.

¬ a brincadeira do "eu nunca" é um ótimo meio de se conhecer as pessoas. como mais a gente ia saber que daniel escova o bigode com a escova de dentes?

¬ helena é a pessoa mais sem noção do mundo. e comete as piores gafes da humanidade.

¬ mosca saaai do meu nariiiiiz. mosca saaaaai da minha barriga.

¬ sempre tem um JUINO na praia. pode chamar por ele que ele aparece.

¬ faltar luz numa praia pode não ser o fim do mundo. compre umas velas, umas vodcas, gelo e uns refris amarelos. ponha tudo no terraço e esqueça. o céu fica lindo e completamente estrelado, como nunca se vê no mundo.

¬ eu tou muito hippie, né?

1.11.02

aê, galhera, tou indo pra praia (maracaípe) daqui a pouco e acho que só volto domingo à noite. aproveitar meu último fim de semana antes das aulas. acho que faz uns dois anos que não vou assim, pra passar um findi na praia. vai ser legal. voi ficar negona, pegar uns surfistas e comer açaí na tigela. acho, ixcrusive, que vou dar uma lida antes no dossiê fraude sobre se dar bem no litoral pra poder me enturmar legal com a turma do surfe e da tonha, é ou não é?

bom, era wilson. cuidem-se e vão pela sombra.
UFPE pode conceder título de Doutor Honoris Causa para o presidente eleito

O presidente eleito do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, poderá ser a próxima autoridade a receber o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Na próxima semana, o Conselho Universitário irá se reunir para analisar a proposta, que será encaminhada pelo reitor Mozart Neves Ramos, refletindo um desejo da comunidade acadêmica.

O título é concedido a personalidades que tenham contribuído para o progresso da Universidade, da Região Nordeste ou do País ou que tenham se destacado pela sua atuação em favor das ciências, das artes, das letras ou da cultural em geral. "Por ser o primeiro pernambucano eleito à Presidência da República com a maior votação da história do Brasil e pelo seu passado de luta defendendo as causas sociais, Luiz Inácio Lula da Silva poderá receber o título da UFPE", justifica o reitor.

Entre os agraciados com o título de Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal de Pernambuco, nos últimos anos, estão o ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela (1998), o geógrafo da USP Milton Santos (1999), o prêmio Nobel de Física Claude Cohen-Tannoudji (1999) e o primeiro superintendente e idealizador da Sudene, o economista Celso Furtado (2000).

A proposta será encaminhada ao Conselho Universitário instruída com o currículo do indicado e ampla justificativa, elaborada por uma comissão especial designada pelo reitor. Para a concessão do título, a proposta precisará ser aprovada por no mínimo dois terços do conselho, que é composto por: reitor, vice-reitor, pró-reitores, diretores e vice-diretores de centro, representantes dos conselhos departamentais, das classes docentes, da sociedade e dos estudantes. Em caso de aprovação, data para a outorga do título será definida posteriormente.

fonte: boletim de notícias da ascom UFPE

30.10.02

ontem o comentário geral na mesa do bar foi que o meu blog era escatológico. porra, cês acham isso mesmo? antônio ainda disse que eu falo que tenho ameba e que sou zarolha pra me auto-promover. poxa, não é pra isso não. é pra vocês me acharem coitadinha.

29.10.02

alguém aí fala alemão?

Date: Tue, 29 Oct 2002 07:44:36 -0300 (BRT)
From: "Lady"
To: "Lady"
Reply-To: emily@hotmail.ru
Subject: Na,weisste noch wer ich bin?
X-Mailer: Microsoft Outlook Express 5.00.2919.6900DM


Hallo....

Hehe , ist ganz schöne lange her , aber solltest mich glaube ich noch kennen....

Ich hab endlich meine Homepage , kannst sie dir ja mal anschauen : klick hier

konstruktive Kritik ist immer willkommen :-)

Meld dich mal wieder...

Gruss u. Kuss
episódio de hoje: o almoço no remoso

numa ruazinha sem calçamento ao lado da reitoria tem um restaurante trimmmmassa. não tem nome, mas foi apelidado por nós graciosamente de remoso, devido à quantidade de cominho usada na hora de temperar o feijão e a carne. tudo tem cara de comida de vó. funciona no esquema de self service sem balança (isso mesmo, tu coloca no prato o quanto conseguir) e tu paga R$3,50 por isso. e ainda ganha uma jarra de suco.

hoje a gente foi almoçar lá (um perigo pra mim, que estive mal dos órgãos há uns dias) e vocês não imaginam o que tinha: sarapatel. e, tipo, você se serve à vontade, mas a carne quem coloca é a tia de bigode. você pode escolher até dois tipos de carne. eu fiquei tão louca quando vi o sarapatel, que só quis dele. diálogo entre eu e a tia de bigode que serve as carnes:

- eu quero só sarapatel.
- tá.
- er... o que é isso branco aqui?
- faz parte.

FAZ PARTE? puta merda. é melhor não saber. depois, os comentários na mesa eram do tipo "eu só consegui comer sarapatel e gostar no dia em que eu comi no escuro" ou "se eu comer sarapatel eu vomito, é sério". foi quando eu disse que amava buchada. é que foi uma das refeições mais sublimes que tive na vida, quando fui num sítio lá no cariri. a turma matou o bode naquela tarde e preparou o bucho direitinho, bem limpinho. então só confio nessas porcarias quando o bicho é criado solto e quando as tripas são bem tratadas, nunca nesses botecos de beira de hospital público. quando a turma hoje me disse que sarapatel era feito com a mesma porcaria da buchada, eu engulhei. não consegui terminar de comer. tudo que me veio à cabeça foi meus problemas de sexta feira, os vômitos e minha ameba estela. puta merda. aquela coisa branca e preta no meio de um molho escuro igual a esgoto, não consegui. chamem de frescura, do que for, mas eu não quero passar de novo pelo que passei sábado de manhã. e nem recomendo.

essa foi a minha caricatura que o menino victor fez sexta-feira, lá no arco-íris, pouco antes de eu virar panela

28.10.02

fui no centro resolver o lance do meu passe fácil (que de fácil não tem porra nenhuma) e acabei indo assistir filminho no teatro do parque por 1 real. é uma maravilha aquele lugar. além de ser um belíssimo teatro, depois da reforma e do ar condicionado super dez ele ficou fera. e, porra, 1 real por filmes que tavam no multiplex há um mês. trimmmassa.

mas o parque já teve seus momentos de sofrimento. na época em que as cadeiras eram de madeira e as portas ficavam abertas por conta do calor e as muriçocas aproveitavam o embalo para comerem as pernas dos desavisados que foram de bermuda era foda, mas eu não deixava de ir nem a pau. e era uma espécie de ponto de encontro dos mesc da cidade e dava pra encontrar uns conhecidos e tomar uma cerva nos botecos da frente. ahn, foi lá que eu comecei a namorar com mateus cabeça de ovo, um dos meus namoros de 3 anos. mas isso é papo prum outro post.

bom, o parque era legal. aí passou por uma reforma que durou muito, muito tempo. todos tiveram paciência e nem lembro quanto tempo faz que ele voltou a funcionar com esse chiquê todo. pronto, aí hoje aproveitei a ida no centro pra ver o que tivesse passando lá. monstros s/a, hehehe. é bem legalzinho, daquele tipo de desenho que tu fica com lagriminhas no final. e o cinema tava cheio de pirralho. mas o pior: quem enchia o saco não eram eles, eram as mães. "ai, aquele siclano é muito chato. já viu o cabelo dele? parece que trocou por uma estopa!" bom, é o preço que se paga por ir a um cinema popular. mas se bem que esse tipo de comportamento tem também nos cinemas onde se paga 12 reais pra entrar, então eu sossego. falta de educação tá em todo canto.

e semana que vem soube que vai passar lá cidade de deus que eu - perdão, gente - não vi ainda. bom, pelo menos pagarei 1 real.
jésus, tinha me esquecido dessa maravilha: (oYo)

27.10.02

tem que ir votar, né? ai, que preguiiiça.

26.10.02

oiii, eu sou um zumbi. quer ser meu amiguinho?
a noite de ontem tinha tudo pra ser ótima, exceto por um detalhe bem importante: o que eu comi naquela tarde. na verdade, nem eu mesma lembro mais. sei que comi um mcnuggets agorado, depois de esperar bem uns 15 minutos no caixa pra saber que a cozinha não tava nem sabendo do pedido. filhos da puta. pois. tive, dessa vez, o meu problema mais sério com comidas estranhas (vide mcdonalds). tudo começou com a caganeira básica que sempre tenho depois de comer no tio ronald, ainda à tarde. normal, se eu juntar isso à minha suspeita de amebíase (ou giardíase, heheh). bebi minhas cervas lá no arco-íris, onde teve show da mombojó e tal e coisa e onde os gatinhos que a gente paquerava tinham em torno de 11 anos.

mas lá pelas duas da madrugada eu comecei a sentir um vazio no estômago. supus ser fome. a essa hora eu tava em outra festa, na despedida de faccenda. não havia nem rastro de comida por ali, nem num raio de 500m. fui solucionar meu problema com uma lata de coca, que creio ter sido a causadora mor do meu problema. comecei a sentir como se a coca não tivesse digerido, como se tivesse ficado para sempre no meu estômago, como um sopão. aquela náusea absurda chegou num ponto tal que eu precisei forçar pra chamar o raul. vomitei - água pura - e a coisa não passou.

foi quando tive a brilhante idéia de ir pra casa de flávia tentar arriar o barro. supus que meu mal estar era cocô, ainda. cheguei lá e nada do barroso sair. mas vomitei ainda mais, até a tal da bile. aí tive que ligar para a genitora. fomos pro hospital e, como eu havia suspeitado, o médico disse que talvez se trate de uma amebíase (ou giardíase, hehe), mas que eu precisava fazer os exames pra ter certeza. e não descartou a hipótese de ser algo gástrico TAMBÉM. falou até em fazer uma endoscopia. ai jésus. lembro bem da supressão de café, refrigerante e bebidas quentes por um tempão quando tinha crises de estômago na sétima série. foi ruim. eu tomo café todo dia e coca cola às vezes eu até substituo por água. não, não vou ter nada no estômago, eu tenho certeza.

bom, o fato é que eu fui tomar soro com DRAMIN na veia. o tal do dramin é aquele remedinho que a galerosa que viaja longas distâncias de busão toma pra poder dormir. eu já tava com sono. mas a única coisa que o remédio deu, durante os 40 minutos que fiquei com aquele troço enfiado na veia da MÃO, foi uma sonolência estranha, acompanhada de breves e intensos cochilos, nada mais. eu não conseguia ficar de olho aberto, mas também eu não dormia. eu tremia de frio e nervoso, tava fraca pra caralho, daria tudo por um pratão de feijoada bem gordurosa. finalmente o bregueço terminou e pude ir pra casa. já ali no derby, comecei a sentir um enjôo inexplicável, já que a porra do dramin é justamente pra evitar enjôo, ânsia de vômito, essas coisas. aí a pressão caiu. aquela coisa toda que eu já sei, a visão turva, sem ouvir quase nada, tudo ao redor salpicadinho com pontinhos amarelos, uma viagem. e suando pacaralho. pedi pra mami parar o carro, queria vomitar. mas bastou eu deitar no colo quente da véia que passou.

ruim isso tudo, né? pois é. mas nem perdi muita coisa. a festa tava quente demais, o som tava a desejar, ao contrário do que eu imaginava e as perspectivas de dar beijo de boca vão ficando meio escassas quando se aproxima da alvorada.

amastarde tem aniversário de sil e eu pretendo muito ir, nem que seja pra ficar na agüinha e torradinha. agora eu vou ali comer o meu MINGAU DE CACHORRO pra ficar fortinha. tou me sentindo uma bandeira do lula em plena avenida boa viagem. querem a receita pro mingau de cachorro? nunca se sabe quando alguém vai precisar. e é um ótimo remédio pra ressaca:

MINGAU DE CACHORRO (também mundialmente conhecido por todos os seus familiares como cabeça de galo):

1 tomate (com tudo, fronha, semente e pele. seje homem)
1/2 cebola (ok, aqui pode ser sem a casca)
alguns galhos de coentro
cebolinho
salsinha
uma colher de manteiga (não muito cheia. gordura não muito indicada no meu caso)
1 ovo
farinha de mandioca
sal a gosto

corte todas a verduras em pedaços sumários e jogue tudo numa panela média. ponha a manteiga e refogue os bregueços. quando a cebola tiver bem molinha e o tomate se desfazendo, jogue água. a quantidade de água eu não sei, vai depender de quanto mingau tu quer, arigó. deixa tudo ferver. quando tiver borbulhando, jogue o ovo dentro. sim, do jeito que o ovo ficar deixe e não mexa. não agora. pronto, agora que o ovo virou uma coisa amorfa e consistente, pode mexer. agora tu vai acrescentar a farofa AOS POUCOS pra não emboloar. isso, aos pouquinhos e sempre mexendo. sim, isso é um pirão então a farofa vai do mesmo jeito do pirão do chambaril, que infelizmente eu não posso nem sentir nem o cheiro senão meu estômago salta. continue mexendo até você perceber que a farofa se uniu direitinho com a água. pronto, você tem um pirão revigorante e gostoso.

25.10.02


acabei de gravar e estoy ouvindo neste exato momento o primeiro disco do queens of the stone age que meu querido cláudio me emprestou ontem. tou curtindo, até agora. mas nada barra aquela lindeza que é o songs for the deaf.
não irei.



me desculpem juliano-gordo-fronha y demais símios, camilo y otros subversivos e mais todo mundo mas justamente hoje inventaram de despachar renata faccenda pra espanha e ainda por cima vai ter show do meu irmãozinho e de betinho. mas fica aqui o convite pros meus 9 leitores prestigiarem o evento.
Too%20Tough%20to%20Die
Que disco dos Ramones voce e'?

brought to you by Quizilla

24.10.02

da série COMO A GENTE ERA BREGA

trilha sonora do dia:

¬ queens of the stone age - songs for the deaf no repeat (esse é o disco da semana de um MUNCADO de gente também)
¬ vááárias mp3's de martin, medeski & wood para dar um groove
não sei se foi ontem ou hoje que eu sonhei uns troços bem esquisitos, envolvendo inclusive pessoas conhecidas. mas num determinado momento aparece meu pai conversando com um DETETIVE e ele solta a pérola sem sentido: nesse ramo de espionagens, o que são rãs no meio de susies?
está decidido: de hoje em diante, não menstruarei mais. e não, eu não estou grávida.
ontem foi bem legal a lance de abraçar o rio com lanternas vermelhas. ficou uma imagem bonita, o rio à noite, com pouca iluminação, e aqueles pontinhos vermelhos da rua da aurora à rua do sol, pegando a ponte de ferro e aquela ponte lá perto do cinema são luíz. e os fogos, hehehe, atirados bem pertinho de onde eu tava, dão um medinho massa. depois todo mundo seguiu até o recife antigo cantando coisas como "agoré lula, agoré lula, é lulááá" até "serra serra serrador, serra o cocô do meu avô". sem noção.

aí eu tomei chopp e roubei o caneco mentiroso do bar. altas tecnologia. o caneco vem, o chopp parece super-hiper-ultra gelado. você vai sorvendo o líquido e o caneco continua super-hiper-ultra gelado. chega em um dedinho de chopp e o caneco parece, mais do que nunca, estar super-hiper-ultra gelado. depois de tomar a minha segunda promoção (era um caneco desses mágicos de 300ml mais um bebê de 150ml por dois rial) eu pude perceber - ohhhh - que era de mentira o lance lá. mas eu achei tão genial a idéia que não pude deixar de levar pra casa. e o caneco mentiroso vai me acompanhar nas minhas próximas jornadas etílicas. morram de ENVEJA.

e eu ainda fiz vergonha a meus acompanhantes tentando fazer a cena da escada - sim, regan tem me acompanhado dia a dia. eu tenho andado meio entrevada, faz duas semanas que não vou na academia então não consegui meu feito. mas me agachei e fiz FÓQUI MÍ com voz de eric cartman. eu sou demais nas minhas imitações, fala a verdade.

23.10.02

visitei somente hoje a página do caixão dobrável. é realmente impresisonante a quantidade de merda que passa na cabeça desse povo.
o edufo agora tem diarinho :)

22.10.02

gentem, não deixem de ler o post mais recente do moço surfista prateado, comentando as 24 coisas que você não pode morrer sem saber. hilário, me caguei aqui.
a matrícula desse ano foi a pior de todas as 7 que já fiz em toda a minha vida acadêmica. todo ano é a maior novela do mundo porque a porra do cac não tem aquelas merdas que o pessoal das ciências exatas têm. a gente é pobre. aí tem que fazer manualmente, levar na escolaridade pra digitar e tal e coisa. e esse ano ainda foi pior porque as pessoas do meu curso todas têm problemas com nota não informada, reprovação por falta e essas merdas todas, que muitas vezes são por erro do próprio departamento e acaba atrasando ainda mais o processo. pois. cheguei às 9h da manhã. recebi uma fichinha amarela com o número 44 impresso. as pessoas na sala estavam atendendo ao número 11 quando cheguei. massa, vou ali fumar maconha. passei a manhã toda esperando e boa parte da tarde também. foi bom porque fui no bigode matar a saudade daquele bar ruim e daquela macaxeira com calabresa que parece madeira de lei com uns pedaços de fungo. aí quando eu voltei já tava na minha hora. mas o pior foi que carla, minha "orientadora", me convenceu a me matricular em pg2 e terminar meu projeto de graduação. pronto, já vi que vai ser foda esse semestre. além de pagar pesquisa em linguagem gráfica, mais uma cadeira trevas de pesquisa, e com artigo no final, tem o meu projeto, que, ahhhhhhhhhh, eu não sei se quero mais... o que eu faço, meu bom deus? tranco essa bagaça? abandono esse curso e vou pra frança ser chef? fico e viro professora? tou completamente sem saber o que fazer, numa crise em relação à universidade e a utilidade dessa merda toda. afinal, eu me formando em março vou virar uma desempregada, certamente. e nem estágio eu poderei ter mais.

bom, vamos deixar essa bosta toda passar e ver o que rola. quem sabe daqui pra lá eu não conheço um coroa rico, bonito e carinhoso pra me casar e não precise fazer mais nada além de cafuné?

21.10.02

preciso dormir, preciso dormir, preciso dormir. sai de mim, pazuzu!

pronto. eu precisava exorcisar o meu medo d'o exorcista (ficou bom o trocadilho, ha ha). hoje eu aluguei o dvd com os 11 minutos a mais e aquele bla bla bla todo pra assistir SEM ANTES COMER BRIGADEIRO DE MACONHA. foi bom eu ver que o filme não dá aquela pânica toda. e, puta la mierda, que filme ducaralho. muito bom pra época. imagino minha mãe sentindo medo vendo isso lá nos anos 70, hihihi. prestei atenção nos monstros que aparecem a toda hora rapidinho, no vômito de abacate, na cena da escada - que é um luxo. curti. mas vou contar a verdade: eu precisava mesmo era de subsídios pra fazer uma boa imitação do meu novo analterego: REGAN. quer dizer, na festa do sábado eu ganhei dois analteregos: KÁITA, a ceguinha do interior e regan, a possuída safada. tenho personas para todos os gostos.

agora tou aqui sem sono e precisando dormir pra madrugar na federal e fazer minha matrícula. será que eu vou sonhar com regan gritando FUCK ME, FUCK ME, FUCK MEEEE? ai, meda. vou trazer o gato pro quarto.

que gato apático do caralho

20.10.02

ah, teve tanta coisa engraçada nesses dias na feira do emprerendedor que às vezes eu até me esqueço. durante todo o dia, o pessoal da telephone colorido, que foi contratado pra ficar na frente do nosso estande entrevistando quem passasse, perguntavam a clássica o que é design? as respostas, obviamente, caminhavam de absurdas pra fuderosas num piscar de olhos. aí tinha uma mocinha do estande da frente que ficava volta e meia olhando aquela bagunça do estande da gente, gente cortando EVA no chão, picotando papel, brigando, mexendo no computador. ela chegou pra cuquinha e michael da telephone e disse que "aquela moça ali é bem diferente, né?" e completou com a melhor resposta do mundo: design é liberdade hardcore. ashhashahsHAHSHahhss ashd ugh.
cês viram a capa da veja dessa semana?
bom, finalmente a feira terminou. a exposição das cousas que fizemos durou pouco mas tudo ficou divinamente lindo. LUXO E RIQUEZA. raquel jóias ficou a própria coisas da barbie, verde e rosa cheguei e muito brilho e muito luxo. no fim, todo mundo tava exausto mas queria comemorar tomando uma cerva juntos, professores e alunos. aí fomos pro paquecas e tia ana andrade pagou nossa bilita.

na seqüência rolou uma festinha em olinda, na praça do jacaré. foi legal, tinha um monte de gente conhecida e tal. não sei o que deu em mim, mas eu tava muito feliz, saltitante e mutcholoca. sério, bebi só algumas cervejas, mas eu tava com humor legal, coisa rara. então fiquei dançando sem parar all night long, imitei ceguinha pra perturbar com mateus-fofinho, e ainda dancei sendo possuída. por sinal, meu nome agora é REGAN e não mais BOTOX.

só que sei que foi assim. saímos de lá já de manhã, mas antes ficamos brincando na mobilete de fernando peres.

18.10.02

trabalhando pra caralho, eu tou. além das 4h do estágio, ainda fico mais 6h na feira do empreendedor essa semana. tem um estande da universidade lá, só luxo e riqueza e nele funciona uma espécie de escritório de design ao vivo e a cores. a gente (estudantes de design da ufpe) circula pela feira, visitando estandes, observando os produdos e identificando problmeas de design nesses produtos. depois faz-se uma triagem e soluciona os problemas dos escolhidos. e sábado rola uma exposição das nossas soluções. agora pense na correria.

mas é muito divertido andar pela feira. você vê muita aberração, até porque a maioria das coisas são artesanais. mas o que mais me deixou incrível foi o estande dos inventores. de verdade, me impressionei com a criatividade da galera. tinha a escova de dentes que já vem com pasta embutida, "para você usar apenas uma mão pra escovar os dentes" (???), o banquinho pro quadro da bicileta, pra você levar sua gatinha de bike pra escola, entre outras coisas fantásticas. mas o mais legal foi o CAIXÃO DOBRÁVEL. sim, um caixão feito com tecido que você dobra e fica pequeninho. "pra quê?", tu pensa. pra quando tua hora chegar você já ter onde esticar as canelas. dêem uma olhadela no folder para sentirem o drama da coisa:


escolha o seu modelito ainda em vida

bom, agora eu ali fazer a marca da RAQUEL JÓIAS.

15.10.02

como seria um editorial BLZ do cardoso, por exemplo, nos tempos do COL:

Hah maix de doze howrax xove ininterruptamente em Porto Alegre. Xove, xove e xove akela xuvinha enjoada, a xuvinha molha-bobo, bem devagar, parece um gato se expreguixando e dah uma vontade de ficar deitado embaixo dox cobertores e naum sair de ksa pra nada. Max Ae tem awla de foto, hj tem contato, e eu tow goxtando de tirar fotox e revelah-lax dpois, entaum no sacrifihcio, vow. Diax de xuva saum maravilhosos, eu sei. Adoro o cinza do cehu, o xeiro de terra molhada, de asfalto molhado, de k-belo molhado, de pele molhada. Adoro o perfume q a pele feminina molhada exala nexex dias. Grande Mojo, excelente lembranxa a dax mulherex molhadax de xuva e suax pelex finas, maciax e frias. Em algumax howrax serah maix frio e noite. Escrevo exte editorial àx duax da tard de quarta-feira, penso no amanhã, no dia 27. Dia exe em q completo 20 anos. Grande coisa, diriam uns, entre elex eu. Aniversahriox soh servem para nos lembrar q somox finitox e q a howra da morte se aproxima. E servem, claro, pra ganhar agradox e mimox de pexoax q a gente expera e de pexoax q a gente nunca havia prextado mta atenxaum, max q dpoix de um telefonema ow um cartaum, ow meixmumo um abraxo sincero, comexam a viver maix coloridax em noxas lembranxas. Quer dz q amanhã faxo 20 anos. É tempo, naum eh? Segunda dehcada. Muita gente reclama q ox anox paxam k-da vez maix rahpido, q o tempo parece encolher conforme se awmenta a idade. É a consciência do fim, eh o saber ke acabaremox e a angúxtia de tentar correr atrahx do tempo perdido. Aox meux olhos, meux 20 anox fowram mto bem aproveitados. Coxtumava reclamar da velocidade do tempo, coxtumava perder a conta dox diax e acordar no meio de junho axando q era janeiro. Max um dia, k-minhando \"pelax alamedax de Porto Alegre, Mercadaum ateh Bonfim\" (dah-lhe Júpiter), vi uma menina mto bonita, num dia mto ensolarado e mto frio. Seux olhox mto azuix e o k-belo quase branco de taum loiro me desviaram a atenxaum por algunx segundos. Na k-miseta q aparecia por debaixo do ksaco, uma frase: \"Carpe Diem\", aproveita o dia, axo q eh da ehpoca do Iluminixmo, exprexaum latina. Aproveita o dia. Comecei a pensar nakelex lemax de AA\'x da vida, do tipo \"Viva um dia de k-da vez\" e trexox do clahxico \"Far away...so close!\", do Wenders, com as consideraxõex a rexpeito do dia, de q naum exixte ontem nem amanhã, eh sempre hj, soh o q muda eh a posixaum do sol. Olhei nox olhox da menina e sorri. Ela retribuiu o gexto e continuamuuuux noxos caminx na Rua da Praia, sem olhar para trahs. Eu, ao menos, naum olhei. Extava bêbado com a lucidez. Algo fez sentido. Hoje, quase treix anox dpois, me vi sentado na sinuca, olhando ax minhax fotos no contato, com ax maumx e a rowpa ainda sujax de quihmicos. Olhei em volta e axei q extava, afinal, aproveitando o dia. Voltava pra ksa dirigindo o meu k-rro, debaixo de xuva, desviando dax poxas d\'ahgua e cuidando ox expelhos. Pensava no q haviam me dito, sobre o inferno axtral ter seu inihcio um meix antex do aniversahrio, qdo acaba, dando inihcio ao parAeso axtral. Inferno axtral? Do jeito q eu ando, se melhowrar extraga. Axo q eu sow ao contrahrio. De qualker forma, havia me eskecido da menina, nunca maix pensara nela, mas eventualmente a exprexaum vinha à minha k-bexa em letrax gigantex e dowradas: \"Carpe Diem\". Max hj, e soh podia ser num dia como hj, na eskina da Ipiranga com a Azenha, a meixmuma eskina em cuja k-lxada jah subi me reservava uma surpresa. Contornando cuidadosamente a curva, olhei para ax pexoas. Um xeirador de cola de doze anos, todo coberto de trapox de plahxtico. Uma mulher aprexada, com frio, toda molhada no seu k-rdigã vermelho. E bem na eskina, bem na eskina onde jah paxei com ox pneux de meu k-rro, ela. A menina do \"Carpe Diem\". Com o roxto abatido, k-belox molhados, descontente com a xuva. Olhow para mim, mas certamente naum me reconheceu. Nem sei ao certo se era ela meixmuma, max se naum for, jah fez o efeito. Agowra kero aproveitar maix exe meu dia molhado de maio. Amanhã completo 20 anos. Se naum xover, aparexam na Fabico de tard para a Chinelagem Black Music. Prometo extar de aniversahrio. I\'ll be drinking. Meu aniversahrio, nada maix q palavras Que maix poxo dz? \"Pode dz qualker coisa - saum soh palavras E dax palavrax pode-se dz q saum escravas Podem fazer homenx trixtes, mulherex bravas Podem te acordar do sonho q sonhavas\" Acabo de voltar ao tcdo, quase dez howrax dpoix do poema. Valeu Hermano e Karina, Carlos, Galera e Clarice, Gaby, Egs, Emiliano, Müzell, Maia, Isa, Santi, Giuseppe, Drehgux e Frank, pela xinelagem da noite. Expecialmente pro Frank e sua Graforrehia em maix um show memowrahvel.*

isso mesmo, tudo o que precisávamos: um mircalizador**. usarei.

*catei um editorial antigo aqui na minha pasta COL, e esse aí foi tirado do número 68. faz tempo, né? 98?
**roubado do blogue de flávia

14.10.02


oiii, quer ser meu amiguinho?
sabe aquele lance de que todo crítico de música é um músico frustrado? pois. essa sou eu. não que me considere uma crítica de música, mas sempre fiz bem o tipo de falar mal (ou bem) das bandas, enquadrá-las no tempo e espaço e dizer o que cada uma chupou do que. altas pretensões, eu sei, mas todo mundo tem seu podre adolescente. a grande diferença é que os críticos de hoje levaram essa baboseira toda a sério e hoje ganham dinheiro com isso. eu fui mais sensata.

mas voltando ao músico frustrado, me considero perfeitamente uma musicista frustrada. primeiro, meu pai é músico. meu irmão mais novo começou na flauta muito cedo. meu outro irmão arranha um violão. todo mundo na minha casa gosta de música. sempre tive uma variedade enorme e um acervo gigantesco em casa. informação não me faltava. mas quando fui tentar aprender a tocar alguma coisa, fudeu. comecei no violão, com uns 12, 13 anos. odiei o professor na primeira semana, quando ele perguntou se brand new cadillac do clash era tema do batman (acho que já contei essa história aqui). aí resolvi deixá-lo com suas agulhas de acumpuntura. explico: ele era gordo, óculos fundo de garrafa e meio bicha. e tava com umas agulhas sebosas enfiadas na orelha pra ficar magro, segundo ele. até acredito, mas era muito agonizante olhar praquelas agulhas na orelha do sujeito. sem falar que a aula era na única sala do segundo andar do colégio, às 19h30 da noite, quando só os porteiros ficavam na escola e eu fiquei meio temerosa de ter aula com um gordo, bicha e que não conhecia the clash (ok, eu só tinha 13 anos). e que ainda por cima me ensinou caminhando e cantando e seguindo a canção como primeira música num violão. malditos filhos de hippie!

meu trauma seguiu somente com a vontade de aprender bateria no primeiro ano e de aprender baixo nos anos seguintes. nunca consegui. ainda peguei no baixo algumas vezes, mas nunca fui muito disciplinada pra nada e aprender instrumento é, antes de mais nada, disciplina. não tenho e não consigo ter. eu meio que desisti de aprender qualquer coisa, até porque já tava ficando velha e fica cada vez mais difícil aprender qualquer coisa com idade avançada. aí meu pai deu a gente a flauta transversal dele, que tá quebrada. disse "conseretem e é de vocês". mas ninguém aqui move a bunda pra consertar nada. mas era a minha chance de aprender alguma coisa, até porque eu já sei fazer aquela boquinha de tocar pífano. sem falar que é um charme mulher tocando flauta transversal, né não?

mas eu já quis ter banda. na real, eu SEMPRE quis ter banda. como nunca soube tocar nada e me acho uma negação cantando, nunca rolou direito. mas já rolaram os projetos, sacomé.

A NOIVA DO ÁTOMO: essa foi uma banda que chegou até a ensaiar. era eu, simone, haymone, carlos, rafael e danilo, mas como danilo tava viajando, foi césar quem tocou bateria no primeiro e último ensaio. e como o rafa tava doente, eu toquei baixo, hahaha. a gente tinha uma repertório montado com músicas dos stooges, my blood valentine, sonic youth e the fall. a banda acabou no primeiro ensaio porque simone achou que precisava treinar mais a guitarra. nunca mais voltamos a tocar.

SWARZHENNE: esse era o nome do projeto de banda que eu tive com camilo punk, pedrão e alessandra, uma menina que fazia cursinho comigo e predrón. nunca rolou nem encontro da banda, mas eu até fiz umas letras insanas. ah, a banda era pra ser psychobilly.

deve ter rolado outros projetos, mas a memória aqui começa a falhar. seria legal se tivesse rolado algo e eu sempre me instigava em ter banda quando ouvia coisas como x-ray spex, porque eu achava o máximo aquele jeito gasguito da poly styrene cantar. achava que eu poderia conseguir e ainda acho que consigo. não tenho voz boa pra cantar, sou tímida pra caralho mas até fico afinadinha quando bebo.

bom, agora eu sou uma senhora velha e gorda com 22 anos na cara e não posso mais ficar com sonhos adolescentes. mas se alguém tiver a fim de montar uma banda de brincadeira pra fazer show no garagem, avisaê. tou topando vestir mini-saia com meia arrastão.

13.10.02

além de estar com o pé no gesso, agora minha mãe resolveu perder a voz também. além de ter que ficar fazendo tudo pra ela (lavando louça, fazendo comida, café) eu ainda tenho que ligar pras amigas dela pra dar recado. muito legal.
ontem teria um show da mombojó, se rafael não fosse tão retardado. um dia antes ele avisa pros outros integrantes do show e alguns tão viajando e coisa e tal. resultado: três deles estavam lá, prontos pra tocar o que fosse. samuel e rafael ainda passaram a tarde fazendo batidas eletrônicas pra substituir o baterista, mas não arrumaram sequer um discman. são muito retardados, ou relaxados, o que é bem melhor. resultado: eu e ivi íamos fazer backing vocal, mas na hora ninguém teve coragem de subir, porque foi muito patético. arrumaram um baterista de última hora lá, que não sabia muito fazer umas batidinhas quebradas e vamos nessa. heheh. até minha irmã de 7 anos, raquel, foi pro show, com a intenção de dar uma de chacrete.

o resto da noite seria meio que perdida, rondando pelo antigo. foi quando descobrimos que a festa no armazém 14 não seria 5 contos, mas sim À BORLA. foi o que salvou a lavoura. tinha pouca gente no início mas, naturalmente, foi enchendo à medida que descobriram que era de grátis. o som tava até razoável, com dj dolores, renato l e outro sujeito lá. e assim, o dia foi salvo, graças a... a... jaga.

12.10.02

o show dos loser manos foi ducaralho, como previsto. completamente lotado, como previsto. mas era MUITO LOTADO MESMO, como há muito eu não via, do tipo de não conseguir respirar às vezes. acho que desde quando eu ia pros shows do planet hemp e raimundos lá pelos idos de 95, 96 eu não era tão pisada e empurrada. mas confesso que o público foi maneiro, educado, não fizeram rodinha de pogo porque era simplesmnete impraticável, e a última coisa que a turma queria era contrariar as leis da física, pelo menos naquele momento. o show foi até longo e muito bem equilibrado entre os dois discos, o que é uma coisa muito boa. e tocaram hollywood, que massa. os caras, obviamente, ficaram surpresos com o fato de TODO MUNDO cantar praticamente tudo. e eles têm uma presença de palco massa, são simpáticos pra caralho.

uma pena que acabou cedo demais e as pessoas foram indo embora, porque o som mecânico tava perfeito. depois reclamam que não toca coisa boa nas festas daqui.

11.10.02

uma pérola da banda céllebro:

Mulher pelada

Alô, pois não, eu gostaria de saber se tu tá doidão
Alô, pois não, eu gostaria de saber se tu tá na mão

Mulher pelada, mão biônica
Mulher pelada, mão biônica

Cumprimento playmobil, cumprimento playmobil
Cumprimento playmobil, cumprimento playmobil
Cumprimento playmobil, cumprimento playmobil
Cumprimento playmobil, cumprimento playmobil

Naquela noite que eu te conheci
Você apenas me observou
Eu nunca me esqueci
Aquilo que você me mostrou

Mulher pelada, mão biônica
Mulher pelada, mão biônica

Cumprimento playmobil, cumprimento playmobil
Cumprimento playmobil, cumprimento playmobil
Cumprimento playmobil, cumprimento playmobil
Cumprimento playmobil, cumprimento playmobil

Mulher pelada
Mulher pelada
Mulher pelada
Mulher pelada


alguém pode me explicar o que vem a ser cumprimento playmobil?
valheu, edufo:

Indie: grupo de pessoas de classe média, geralmente entre 20 e 30 anos, que
usa visual inspirado em bandas pop britânicas, cultiva um fetiche por bandas
desconhecidas (mesmo que sejam ruins ou meras cópias das famosas).

O indie costuma explicar sua vida por meio das músicas que ouve ou pelo
menos relacionar fortemente as duas coisas. Na maior parte do tempo está
depressivo e/ou cabisbaixo. É adepto do resenhismo tântrico, forma de
cultivar os antepassados da finada revista Bizz.

Não há garis, pedreiros, engenheiros e bancários entre os indies. Quase
todos dizem que são jornalistas. Por isso não gostam de pagar por cds, nem
pra ir a festas. Gastam dinheiro com cervejas, que sorvem enquanto exibem
seus conhecimentos oriundos da coluna do Lúcio Ribeiro (que vem da NME) uns
pros outros.

Mais detalhes no Discovery Channel.
gente, tou preocupada com meu gato. eu sei que ele não anda batendo bem dos juízo, já passa dos 10 anos e vive como um velho babão em casa, comendo e dormindo. nem caçar moscas ele caça mais e quando o faz é uma vergonha. meu maior orgulho foi quando ele matou um morcego, mas acho que foram dogras na ração. enfim, tá meio retardado, o pobre. mas hoje xampaul passou dos limites. eu acordei e a primeira coisa que ele fez foi miar, miar pra entrar no quarto. deu um pulão na minha cama, todo mião e fofo e foi direto cheirar a quina da mesa do computador, que ele gosta do cheirinho. meu celular tava por ali. sabe o que o filhadaputaescroto fez? simplesmente derrubou o telefone com a pata. assim, como quem não quer nada. derrubou. dei uns gritos no escroto e apanhei o celular todo desmontado no chão, tampa prum lado, bateria pro outro, visor pro outro. tá funcionando beleza, mas se não tivesse, xampaul ia ter o mesmo fim trágico do gato gordo. mas o pior foi que o escroto seguiu direto pro quarto do meu irmão e CAGOU NA CAMA dele. esse puto precisa de umas lamboradas mas eu simplesmente não consigo não colocar ele no braço como um bebezão.
porra, a minha chance de escanear um soldadinho se foi pelo ralo. vim andando da reitoria até em casa e um soldadinho pousou no meu braço. no susto, atirei ele longe. depois fiquei pensando na chance disperdiçada, já que o soldadinho é bicho em extinção, ou, como pensávamos, que era um produto exclusivo dos anos 80.

10.10.02

acho que hoje foi a primeira vez que eu tomei uma cerveja no meio do expediente de trabalho. como ontem eu fui uma inútil o dia todo de pijama, tive que compensar minha falta hoje, ficando 8h no estágio. no almoço, fui com meus colegas amélia e ant6nio num bar que tem a melhor carne de sol que eu já comi em anos. sinceramente, tá barrando a carne de sol do cunha, considerada a melhor da cidade. fica ali por trás da sudene, bem legalzinho. acho que é uma churrascaria, hehshsa. até casinha da árvore tinha, o que me fez pensar seriamente em ir almoçar nela. e pedimos uma cerveja pra acompanhar essa maravilha nordestina que é a carne de sol. mas, vou te dizer, que carne de sol! macia, molinha, no ponto. e a cerva gelada como tem que estar. ok, a cerva não melhorou meu ânimo de quem dormiu menos de 5h na noite anterior pra ir trabalhar 8h, mas foi um feito histórico na vida de uma bebum. podem crer.

9.10.02

podem acreditar. são 4h da tarde e desde que eu acordei eu tou na frente do meu computador. de pijama ainda. e com um mau humor terrível.

8.10.02

por que eu fico tonta toda vez que eu faço 30 minutos de esteira? mesmo ficando tonta, eu acho muito legal andar sem sair do canto. eu gosto de andar rápido na rua, sempre tou apressada e quero chegar logo no destino. mas isso é praticamente impossível aqui, já que a leseira do povo é sem tamanho. tem gente que anda olhando pro lado e bate em você, têm as pobres senhoras que andam a passos de formiguinha com seus guarda-chuvas floridos e feios, tem o povo que vai conversando coisas absurdas e não tá muito aí pra quem tá atrás (mas desses eu gosto de ouvir a conversa). enfim, é praticamente impossível andar sossegado nessa cidade. na esteira não, eu ando 30 minutos sem parar vendo clipes ruins na mtv ou a novela das seis. é muito maneiro. e eu posso andar a 7km/h numa boa e em seguida a 3km/h e depois voltar aos 7 e aumentar pra 10 pra correr. acho djóia. mas fico tonta.

e continuo tendo verdadeira ojeriza àquela maquinaria da musculação. além de eu ser peso pena e não conseguir levantar mais de dois pesinhos daqueles, dói demais, meu véio. e é muito artificial. não consigo conceber como as pessoas ficam sequinhas só fazendo musculação, não consigo. e eu fui dizer ao professor que odiava musculação com todas as minhas forças. ele disse que era efiecienete, que você via resultados mais rápido. ãhn, como assim resultados? "meu querido, eu não tou aqui pra virar a feiticeira, não. quero perder minha barriga e só. me deixe com as minhas celulites das coxas e da bunda. eu gosto delas. só quero tirar minha barriga, só isso, entendeu?" sabe o que é que o fi-de-quenga me disse? "pare de comer". puta que pariu, o cara quer que eu tire minha barriga parando de comer. ah, não, palhaçada, né? eu disse que era impossível. se eu parar de comer um dia eu emagreço três quilos. eu não quero emagrecer, quero perder a barriga. pra mim isso é tão simples, tão simples que não entendo porque complicam tanto. já tou vendo que vou acabar em duas palavras: barrigão e musculosa.

mas não contei o melhor: saindo da academia, suada pra caralho e morrendo de sede, caiu o maior toró do mundo. acho que essa é a situação em que eu mais pediria pro sol se esconder e pra são jorge jogar um baldão d'água aqui: completamente suada e sedenta. como foi bom. acho que desde que tenho 9 anos não sentia tanto prazer tomando um banho de chuva. pena que acabou antes de eu chegar em casa.
acho que já é a terceira ou quarta vez que eu sonho me deliciando com um cigarro, dando tragos longos e prazerosos. não sei o que isso pode significar, já que eu sou a pessoa que mais detesta cigarro no mundo.
faz uma semana que eu não piso na academia. e só fui uma única vez fazer aula lá. mas é que da vez que eu fui, eu passei 1h30 fazendo exercícios sem parar, mesmo estando parada há quase três anos. resultado: quatro dias com as costelas, aqueles músculos acima dos peitos, os braços e principalmente as pernas doendo muito. teve um dia que nem sentada eu conseguia ficar. dessa vez vou maneirar pra não tomar no cu depois. agora basta parar esse dilúvio que eu vou malhar. mas vocês sabiam que eu emagreci 2kg? não sei como isso aconteceu porque eu não fiz regime nem nada. será que eu vou voltar a ser magriça pra sempre?
é, não vai ser dia 10 não. recebi isso de uma lista de discussão:

Show de Los Hermanos:

11.10 - Recife/PE
Local: Armazém 14 (Recife Antigo)
Horário: 22h
Ingressos: R$10 (antecipados nas lojas Bali e na bilheteria do Armazém 14)

7.10.02

não sei se vocês lembram desse post, publicado um dia depois do show de marky na féxion (dia 16 de setembro):

ah, e na fila da saída aconteceu um lance muito bizarro. um coroa com seus 40 e tantos anos, quase 50, cabelos meio ruivos, olhou pra mim assim, assim, e perguntou se eu era filha de fernando. tomei um susto mas fiquei calada, com aquela cara de retardada. insistiu e perguntou o nome do meu pai. "fernando". e da tua vó? "maria luísa". ele apresentou as pessoas que estavam com eles como "netos de luís torres", que penso ser irmão da minha vó. ou seja, se o sujeito aquele for o pai daqueles três que ele apresentou com como sobrinhos-netos da minha vó, ele é primo do meu pai. logo, meu primo segundo. nossa senhora. olha só o lugar onde eu vou conhecer um coroa que eu creio ser primo do meu pai: na fashion club. que vergonha!

pergunta: como ele adivinhou que eu era eu, se eu nunca na minha vida inteira vi a fuça aquela figura?

e tem mais um lance bizonho nisso tudo. fui contrar à minha mãe do ocorrido e ela perguntou o nome do sujeito. nicolau. "ah, cecília, ele é o pai daquele menino da foto, o que tem o coco parecido com o seu". ahn, explico. tem uma foto minha bebê que eu estou de perfil junto com outro bebê da mesma idade, também de perfil, e é impressionante como parecemos gêmeos. eu tenho um troção grande na cabeça, um coco ducaralho (quem já me viu de cabeça raspada pode confirmar) e o guri tinha igual. sem falar no nariz, tudo era igual. só que ele era bem mais gordo e maior que eu. ahn, vou tentar achar agorinha essa foto, escanear e publicar aqui procês. esperem.


pronto. achei a tal foto fuçando meu diretório de fotos, já que naquele dia não achei nem a original pra escanear.



reparem bem no cabeção do nenéns. no perfil. olha o narizinho como é igual. eu sou essa menorzinha aí, a do lado esquerdo de quem entra. mas o melhor de tudo é cara de QUE BELEZA! do meu tio francis. hshashsh, só alegria.
nunca façam brigadeiros aditivados pra depois irem ver o exorcista, ok?

e nunca acreditem em pesquisas.

5.10.02

ahn, sim. no saite dos loser manos não tem nada falando sobre o show do recife no próximo dia 10. inclusive pula essa data direto pro show de fortaleza dia 12. só rumores por aqui. mas ontem eu vi minha chefe fazendo aqueles lambe-lambe (aqueles cartazes sebosos de muro, bem grandes) do show deles. então, ó, confirmadíssimo. chorarei.
ai, jésus, essa lei seca vai ser de matar, hum? além de não ter bar aberto depois da meia noite (não, nem adianta dizer que não vão vender mas estarão abertos porque não voga), não vai ter festa nenhuma e se a gente quiser se divertir entorpecido em alguma festa particular, tem que comprar logo o material. ah, mas como eu queria estar deitada, tomando banho de... er, ok, de nublado na frente duma piscina, de preferência regada a cerva e picanha. EU QUERO MUITO. e necessito de uma coca cola, urgente, e gelada.

ahn, a festa ontem foi legal, apesar de (quase) tudo ter dado errado. a cpu de matias simplesmente parou de funcionar. e nela tinha as emepetrês legais que iam tocar na festa. bichinho. tiveram que se virar com um som dando pau o tempo todo. mas foi legal, apesar de já ter se tornado meio repetitivo o repertório das festas cavanísticas. e o vídeo de júlio (o motivo da festa) é bem legal.

3.10.02

uia, "kids trepando". pedófilos perversos. no mínimo deve ter batido aqui um empresário gordo, suado, com uma lata de coca light na mão (como se isso fosse sanar seu problema de gordura e sedentarismo) procurando fotos de pré-púberes sem pentelho se esfregando. argh, nada me dá mais nojo.
algum complexado entrou aqui procurando por "fotos pessoas gordas". opa, veio ao lugar certo! o mais engraçado é que na mesma pesquisa, o primeiro site que apareceu no google foi esse aqui. xoxota.com.br? credo, como tem gente estranha no mundo. aliás, xoxota é um nome muito engraçado. e mais engraçado é que MEU PAI usa o termo freqüentemente, inclusive com minhas irmãs pequenas, de 7 e 9 anos. tanto que quando raquel era mais nova, fazia uma cafusão dos infernos e chegou a perguntar se meu pai tinha limpado a xoxota, ao sair do banheiro. trash.

outro entrou aqui procurando por "fotos de gente trepando". não, realmente ainda não possuimos um acervo tão legal como o da turma da fgv, mas prometo que dentro em breve faremos uma festa tão legal como aquela, com direito a cafofo, web cam e transmissão ao vivo pelo inernet, tá bom?
ah, vocês não sabem a surpresa que eu tive ao chegar em casa e ver um baita envelopão à minha espera. LOTADO DE FANZINES. é muito massa receber correspondências, não acham? eu acho melhor do que receber e-mails, sério mermo. acho que é porque eu passo 76,5% do meu dia acordada aqui na internet então nem é tão OHHHHH receber um emilho, né? mas carta eu gosto. e quando vem lotadinha de coisas assim, melhor ainda. brigada, andrezinho, amei.
esqueçam meu antigo apelido NELSON. meu nome agora é BOTOX (© eduf).
da série: convesas bizarras no icq com sujeitos que aparecem do nada

^Arcanjo^ 3/10/200 11:54 oii

c e c i l 3/10/200 11:54 opa

^Arcanjo^ 3/10/200 11:54 de onde tc?

c e c i l 3/10/200 11:55 da casa de mãe.

^Arcanjo^ 3/10/200 11:55 onde vc mora?

c e c i l 3/10/200 11:55 aqui na casa de mãe.

^Arcanjo^ 3/10/200 11:55 q estado?

c e c i l 3/10/200 11:56 no estado que mãe mora.

^Arcanjo^ 3/10/200 11:57 legal

2.10.02

não votem por paixão. usem a razão. exijam CULTURA.

essa pérola foi retirada do muro do PSB - pronto socorro das baterias, que fica aqui, na avenida caxangá. desde que eu me entendo por gente e sei ler, o dono dessa bagaça escreve coisas do tipo no muro do pronto socorro. apesar do nome do recinto aparentar ser de um comuna, o cara é um reaça do caralho. chega a ser engraçado. não sei com que freqüência ele atualiza o mural, mas SEMPRE tem alguma coisa exaltanto o governo e botando pra foder no PT e adjacências. seria engraçado se fosse tiração de onda, mas o cara fala na vera mesmo. alguém aí lembra de alguma outra inscrição mural dessas? tou a fim de colecionar e fazer umas camisetas. o cara é gênio mesmo.
pronto. acabou. agora é só esperar o resultado.

sim, o teste hoje foi legal, apesar de ter ficado muito, muito surpresa. imaginei que fossem testar meus (ham ham) conhecimentos de dreaweaver e flash. mas não. a "tarefa" era criar um layout pro jckids, um portal infantil do jc. putz, trash, meu. pensar nisso no fim de uma tarde com os músculos doídos é péssimo. mas vamos lá. fiz. não ficou lá uma brastemp, mas ficou gracioso. agora é só esperar pra ver o infeliz que fica. não quero mais pensar nisso, não quero mais pensar nisso.

marrapaz, e num é que os músculos da minha coxa resolveram doer só hoje, dois dias depois que fui pra academia? pois é. parece que levei uma pisa de cafetão em prostituta. além de enfrentar engarrafamento nos quatro cantos, tive que agüentar dor nas pernas, daquelas em que mal tu consegue andar. é, acho que vou passar gelol e dormir cedo, melhor que eu faço. aê.
ontem assisti ao filme italiano pão e tulipas. é bem pastelão, meio bregoso, mas muito engraçado nesse exagero todo. deu pra rir um bocado. depois a gente foi lanchar no habib's... digo, naquela pracinha ali perto do laça burger. compramos zilhões de esfihas e coca cola e fomos farofar na praça. menina, todas as árvores daquela praça são feitas de massa folhada. sim, de massa folhada. a gente deu murro, chutou, bateu com a cabeça e simplesmente não machuca. é fofinha. me lembrei dos pastéis (empada não) de nata sagrados que o pai de tiaguinho faz. ai madonna, aquilo é um sonho, um manjar dos deuses. é simplesmente uma delícia. a massa é uma massa folhada super ultra crocante mas ao mesmo tempo macia. o recheio de nata é uma coisa inexplicável. a recieta é portuguesa e secreta, tipo biscoitinhos das monjas virgens beneditinas. pois bem, tiago levou três desses pastéis pro bureau, um pra mim, um pra léo e um pra moca. aquilo foi dos prazeres mais bizarros que senti na vida. não sei explicar. se quiserem o telefone da casa de tiago pra vocês encomendarem os pastéis, eu dou.

ahn, no fim da noite, sem saber muito pra onde ir, eu, vicente, cláudio e flávia fomos bater naquela merda da terça negra, no pátio de são pedro. acreditem ou não, senti um treco estranho logo que cheguei lá. comecei a sentir uma agonia por dentro, não sei bem explicar o quê. só queria ir embora dali. decidimos tomar uma cerveja num bar da redondeza. tava quase dormindo na cadeira quando dei o ultimatum "vamos nelson, galera. não quero mais ficar aqui". quando íamos pagar as duas cervejas, rolou uma briga de mulher ali perto. briga feia mesmo, garrafas e cadeiras voando. nem deu pra ver direito, porque vicente me pegou como superman e eu nem entendi nada muito bem. fim de noite jogando isketch na casa de flávia :/

agora de tarde tou indo no jc online pra a última fase do processo de seleção (esse foi o processo de seleção mais queijudo do mundo). não sei extamante o que vai ser, mas deve rolar um lance mais prático, onde eu vou me foder bonito. ah, a mulher lá quando ligou perguntou se eu tinha um portfolio. ai, vergonha. sabem que eu nunca consegui fazer um portfolio na vida? nunca. sempre comecei, mas abandonei no meio. tou fudida. ahn, peguei uns trabalhos aqui e ali, algumas coisas que consegui juntar no meio de tanta merda e vou levar. pessoas, mandem energias boas pra mim nessa tarde porque eu precisarei.

30.9.02

adivinhem de onde eu acabei de chega-ar? da academi-a! direto pra esteira, 30 minutos andando sem sair do lugar, vendo a novela das seis. maneiro, teve uma cena legal. a moça prende o salto na tábua de um lugar que eu creio ser uma boate de novela, daquelas em que as pessoas dançam mais rápido que a música que tá tocando e alguns fazem passinhos como se estivessem num musicalda broadway. ok, a moça prendeu o salto agulha na tábua do chão do recinto e, na tentativa de tirá-lo, o sapato VOA. sim, voa, voa pelas alturas e cai na cabeça do mocinho. o mocinho sente a pancada e quando vai ver, um sapato caiu. "cinderela", penso eu, olhos fitados na tv na minha frente. em seguida, os dois se entreolham. parece que ROLOU CENTIMENTO. amanhã eu vejo o resto.

além de acompanhar a novela das seis, saí tontinha da esteira, menina. que foi aquilo? parecia que tinham me pendurado pelos pés e rodado por anos. ton-ti-nha. ok, fui procurar o moço instrutor pra ele me dizer o que fazer. ai, meu deus, aquelas máquinas de musculação me dão medo. parece que eu tou num filme dos anos 30, num metropolis da vida, com aquela maquinaria pesada toda. quando eu cheguei num lá que tinha uma enorme coisa metálica que eu precisaria empurrar (deitada) com os pés, imaginei aquilo caindo em cima de mim, aqueles pesos pretos enormes, caindo sobre mim. acho que vou sonhar com pesos assassinos querendo acabar com a minha vida.

mas é nenhuma. como eu sou café com leite ainda, o tio deu uma maneirada. quando vi, fiquei quase 1h30 fazendo exercícios sem parar. amanhã eu vou acordar um caco. ou nem acordar. ok, vou ali comer, antes que eu tenha uma queda de pressão por hipoglicemia.

29.9.02

mas que grandes bosta a festa a fantasia, hum? eu aqui quebrando a cabeça pra achar um bom vilão e tinha um fred flintstone cara de pau lá. que raiva, odeio essa gente sem criatividade. minha fantasia ficou legal, mas a turma velha guarda nem conhece os rugrats. até teve uma galera que achou que fosse laurinha dos ursinhos carinhosos, mas ursinhos carinhos são gueis demais pra eu me fantasiar de algo relacionado com.