15.10.02

como seria um editorial BLZ do cardoso, por exemplo, nos tempos do COL:

Hah maix de doze howrax xove ininterruptamente em Porto Alegre. Xove, xove e xove akela xuvinha enjoada, a xuvinha molha-bobo, bem devagar, parece um gato se expreguixando e dah uma vontade de ficar deitado embaixo dox cobertores e naum sair de ksa pra nada. Max Ae tem awla de foto, hj tem contato, e eu tow goxtando de tirar fotox e revelah-lax dpois, entaum no sacrifihcio, vow. Diax de xuva saum maravilhosos, eu sei. Adoro o cinza do cehu, o xeiro de terra molhada, de asfalto molhado, de k-belo molhado, de pele molhada. Adoro o perfume q a pele feminina molhada exala nexex dias. Grande Mojo, excelente lembranxa a dax mulherex molhadax de xuva e suax pelex finas, maciax e frias. Em algumax howrax serah maix frio e noite. Escrevo exte editorial àx duax da tard de quarta-feira, penso no amanhã, no dia 27. Dia exe em q completo 20 anos. Grande coisa, diriam uns, entre elex eu. Aniversahriox soh servem para nos lembrar q somox finitox e q a howra da morte se aproxima. E servem, claro, pra ganhar agradox e mimox de pexoax q a gente expera e de pexoax q a gente nunca havia prextado mta atenxaum, max q dpoix de um telefonema ow um cartaum, ow meixmumo um abraxo sincero, comexam a viver maix coloridax em noxas lembranxas. Quer dz q amanhã faxo 20 anos. É tempo, naum eh? Segunda dehcada. Muita gente reclama q ox anox paxam k-da vez maix rahpido, q o tempo parece encolher conforme se awmenta a idade. É a consciência do fim, eh o saber ke acabaremox e a angúxtia de tentar correr atrahx do tempo perdido. Aox meux olhos, meux 20 anox fowram mto bem aproveitados. Coxtumava reclamar da velocidade do tempo, coxtumava perder a conta dox diax e acordar no meio de junho axando q era janeiro. Max um dia, k-minhando \"pelax alamedax de Porto Alegre, Mercadaum ateh Bonfim\" (dah-lhe Júpiter), vi uma menina mto bonita, num dia mto ensolarado e mto frio. Seux olhox mto azuix e o k-belo quase branco de taum loiro me desviaram a atenxaum por algunx segundos. Na k-miseta q aparecia por debaixo do ksaco, uma frase: \"Carpe Diem\", aproveita o dia, axo q eh da ehpoca do Iluminixmo, exprexaum latina. Aproveita o dia. Comecei a pensar nakelex lemax de AA\'x da vida, do tipo \"Viva um dia de k-da vez\" e trexox do clahxico \"Far away...so close!\", do Wenders, com as consideraxõex a rexpeito do dia, de q naum exixte ontem nem amanhã, eh sempre hj, soh o q muda eh a posixaum do sol. Olhei nox olhox da menina e sorri. Ela retribuiu o gexto e continuamuuuux noxos caminx na Rua da Praia, sem olhar para trahs. Eu, ao menos, naum olhei. Extava bêbado com a lucidez. Algo fez sentido. Hoje, quase treix anox dpois, me vi sentado na sinuca, olhando ax minhax fotos no contato, com ax maumx e a rowpa ainda sujax de quihmicos. Olhei em volta e axei q extava, afinal, aproveitando o dia. Voltava pra ksa dirigindo o meu k-rro, debaixo de xuva, desviando dax poxas d\'ahgua e cuidando ox expelhos. Pensava no q haviam me dito, sobre o inferno axtral ter seu inihcio um meix antex do aniversahrio, qdo acaba, dando inihcio ao parAeso axtral. Inferno axtral? Do jeito q eu ando, se melhowrar extraga. Axo q eu sow ao contrahrio. De qualker forma, havia me eskecido da menina, nunca maix pensara nela, mas eventualmente a exprexaum vinha à minha k-bexa em letrax gigantex e dowradas: \"Carpe Diem\". Max hj, e soh podia ser num dia como hj, na eskina da Ipiranga com a Azenha, a meixmuma eskina em cuja k-lxada jah subi me reservava uma surpresa. Contornando cuidadosamente a curva, olhei para ax pexoas. Um xeirador de cola de doze anos, todo coberto de trapox de plahxtico. Uma mulher aprexada, com frio, toda molhada no seu k-rdigã vermelho. E bem na eskina, bem na eskina onde jah paxei com ox pneux de meu k-rro, ela. A menina do \"Carpe Diem\". Com o roxto abatido, k-belox molhados, descontente com a xuva. Olhow para mim, mas certamente naum me reconheceu. Nem sei ao certo se era ela meixmuma, max se naum for, jah fez o efeito. Agowra kero aproveitar maix exe meu dia molhado de maio. Amanhã completo 20 anos. Se naum xover, aparexam na Fabico de tard para a Chinelagem Black Music. Prometo extar de aniversahrio. I\'ll be drinking. Meu aniversahrio, nada maix q palavras Que maix poxo dz? \"Pode dz qualker coisa - saum soh palavras E dax palavrax pode-se dz q saum escravas Podem fazer homenx trixtes, mulherex bravas Podem te acordar do sonho q sonhavas\" Acabo de voltar ao tcdo, quase dez howrax dpoix do poema. Valeu Hermano e Karina, Carlos, Galera e Clarice, Gaby, Egs, Emiliano, Müzell, Maia, Isa, Santi, Giuseppe, Drehgux e Frank, pela xinelagem da noite. Expecialmente pro Frank e sua Graforrehia em maix um show memowrahvel.*

isso mesmo, tudo o que precisávamos: um mircalizador**. usarei.

*catei um editorial antigo aqui na minha pasta COL, e esse aí foi tirado do número 68. faz tempo, né? 98?
**roubado do blogue de flávia

Nenhum comentário: