3.7.03

domingo eu tava surdinha. tava falando alto pra poder ouvir a minha própria voz. aí deu que ontem eu fui no otorrinolaringologista fazer minha consulta anual e acabei tendo que limpar a cera do ouvido. de cada um, retirou-se uma potoca do tamanho da cabeça do meu dedo indicador. coisa feia mesmo. e me lembro da primeira vez que fui ao otorrino fazer esse tipo de coisa.

tudo começou quando eu passei a sentir meu ouvido chiando de forma esplendorosa, tipo uma distorção de guitarra. e não é mentira. eu realmente achei que tava começando a ficar surda, igual ao meu irmão rafael e ao meu pai, que além de moucos, são meio lesos também, o que contribui sobremaneira com a surdez. então decidi ir logo ao médico pra não descobrir tardiamente que estava surda. eu até havia me preparado psicologicamente para uma possível surdez. acho que ia enfiar a cara na caixa de som para "sentir" a música. ia ser um troço bem espiritual, assim, essa relação. bom, por sorte, a única coisa que eu tinha naquela época era uma imensa e preta e peluda massaroca de cera, feia mesmo, parecia um inseto cascudo e grande. e era grande mesmo. me assustei com a forma, o tamanho e a textura da coisa. essa era do tamanho da cabeça do meu polegar e se concentrou em apenas um dos meus três ouvidos. dessa vez a coisa foi menos de com força e o dotô nem passou antibiótico. só um gargarejo (!) de água morna com sal pra garganta e um anti-alérgico pra ver se o catarro vai embora.

Nenhum comentário: