31.3.04

PIPA

seguinte, pessoas: o meu aniversário, junto com hélio e eduardo, morgou. morgou naqueles esquemas de mega-hiper-ultra festa 100h sem parar. sim, a gente não conseguiu ir a maracaípe ou serrambi em nenhum fim de semana pra ir atrás de casa pra alugar e fazer a festança. então a gente tá tentando juntar uma galera (mais precisamente dez pessoas) pra rachar uma casinha lá na praia de pipa. já estamos em 7 pessoas e só vale a pena se esse número chegar em dez pra poder ficar um precinho legal (50 conto por cabeça pelo findi) e dar pra rachar essa mundiça em dois carros. somos eu, grégoire, flávia, pedrinho, melo, juliano e hélio.

quem tiver interessado em ir, manda um email pra mim ou arresponde aqui nos comments.

30.3.04

CAMISA

29.3.04

O FODA É ISSO

quando eu começo a imaginar demais as coisas elas acabam se tornando verdade.
CANTADA

- deixa eu te conhecer?
- duas e dez.

28.3.04

BAM

o cabelo já assentou mais. tá mais ajeitadinho, gracioso.

na sexta, acabei não indo no show do del rey, mais uma vez. fui bater numa festa de pessoas cabieça do cinema lá na pqp (boa viagem) e fiquei brincando de fazer bonequinhos em cima da projeção de flash gordon.

passei o sábado sozinha dentro de casa. não vejo johnny desde quinta. não vejo greg há uma semana, exatamente. fiz meu almoço sozinha, amarguei na cama vendo luciano hulk, renata banhara falando mal de frank aguiar e uma moça tentando provar que sua filha é filha também de marrone - depois de exame de dna negativo.

ontem levei um copo do fernando's, onde tia pema comemorava seus 37 anos (que fuma). as pessoas acham que eu sou claptomaníaca, mas é só charme. o show da roda foi o mais longo da história e a gente saiu de lá de manhã. fazendo a contabilização, eu passei 9h com o copo do fernando's na mão.

acordei cedo e com uma intuição não muito boa. mas fui almoçar com mamãe e comi caranguejo e arroz de polvo e tudo ficou melhor.

meu irmão filipe tá desaparecido desde ontem. sem documentos e sem dinheiro. alguém viu ele por aí?

26.3.04

A BICHINHA



daqui a quinze dias j? vai estar enorme.
DEL REY HOJE

no garraffus (rua conselheiro nabuco, 21, casa amarela), lá pelas 23h30. apresente 3 dinheiros e dance até morrer.

só torça pra cerva não acabar cedo.

25.3.04

CORTEI

agora não adianta mais chorar.

representando bem a raça, saí insatisfeita do salão. não adianta querer o efeito CORTE DE MÁQUINA CRESCIDO ASSIM UNS 3 MESES porque ninguém nunca vai acertar. o negócio é raspar mermo e esperar crescer.

digamos que tá 80% do cabelo da jean seberg, talvez com um pouco mais de cabelo.

e por favor, pessoas. se me virem na rua, não digam nada. nem que tá feio nem que tá legal. façam de conta que nada aconteceu.
TRASH

lembram daquela rádio trash 80's que indiquei aqui há alguns meses? ela tá ampliada, tem um site agora com coisas relacionadas a trechezas em geral e tal. na estação VERSÕES TRASH tem umas pérolas como call me do blondie en español, voyage voyage como vuela vuela children (???), ymca com os fevers, muito ruim. i like chopin, por exemplo, virou "me deixou":

eu já não sei
o que fazer
o que eu quero é saber
se você me ama
uou uou ooooo

eu criei você só pra mim
e pensei que te teria
mas você nem ligou pra mim
me deixoooou
uou uou

mas a melhor mesmo foi polegar e uma ão horrorosa de grease, que começa com a grande pérola EU MATO A COBRA E AINDA MOSTRO O PAU.

ouçam, façam-me o favour.
FIRPO, ASSIM NÃO DÁ

desse jeito tu só atiça ainda mais a minha vontade louca de emprenhar.
NINGUÉM MERECE

acordar de mau humor e receber um OI PRINCESA às 7h30 da manhã, na frente de uma concessionária. queria ser rápida na resposta pra deixar um nojento desses sem graça.

24.3.04

PRECISO ARRUMAR UMA LAVAGEM DE ROUPA

tá foda ficar indo dormir cedo todo dia. eu chego em casa umas 17h30, e joão nunca está nesse horário. tomo um banho e vou preparar algo pra comer. ligo o computador ou a tv. quando dá 8h já tou com sono. ontem eu caí nos braços de morfeu às 8h30. resultado: duas da manhã acordo, completamente insone. ligo a tv - que é imbatível no quesito me fazer ficar com sono. coloco pra desligar em meia hora. meia hora depois, coloco mais meia hora. meia hora depois, decido que não é a tv que vai me fazer ficar com sono. pego o cartas na rua de bukowski, que carlós me emprestou há um tempão e que tá na minha cabeceira desde que cheguei àquela casa. começo a ler. 20, 30, 50 páginas lidas e nada do sono chegar. já são 4h da manhã e preocupa saber que dali a 3 horas estarei de pé pra ir trabalhar. decido largar o livro e contar carneirinhos. o sono veio.
VIZINHOS, ESSES INCOMPREENDIDOS

acho que ainda não falei dos meus vizinhos. lá na vila dos smurfs, eu tava acostumada aos vizinhos cada um na sua e o máximo de barulho que eu ouvia o gordo chucky gritando pra não ir pra escola. os vizinhos barulhentos éramos nós, principalmente em dia de feijoada.

no prédio onde eu tou morando acontecem coisas bizarras. a começar pela vizinha esquizofrênica e seus cachorros. ao que parece, mora ela e mais uma galera. mas como só se ouve a voz dela - gritando, diga-se - então pra mim ela é a vizinha esquizofrênica e seus companheiros imaginários. e os cachorros, que enchem meu pobre saco todos os dias, latindo de se esgoelar. e a esquizofrênica tenta, infrutífera, calá-los com um "cala a boca, senão apanha". por favor, alguém diga a ela que, se ela não latir, os cachorros nunca vão entender a mensagem.

tem também os vizinhos do apartamento 01 onde todos os membros da família foram assaltados e um levou um tiro dentro de casa. não sei se tem um carrego ali dentro, ou são azarados ou exageraram pra botar medo na vizinha nova - eu - mas no dia que abriram o carro de júlio, me contaram histórias escabrosas de assaltos às 7h da manhã que eu fiquei realmente com medo. isso sem falar na velha curiosidade de vizinhos querendo saber quem sou e que grau de parentesco eu tenho com "o homem que morreu". afe, odeio gente curiosa e fofoqueira.

mas acho que o mais bizarro de tudo é a torcida. sim, os vizinhos torcem em novelas e no big brother. eu não vi, mas johnny contou que, quando rogério saiu do bbb, o prédio em peso gritou AEEEEEEEEEEEEEEEEÊ. ontem eu, por acaso, assisti àquela novela das sete até o fim. a novela terminou com paco e o outro cara lá chegando à casa da mamushka. o prédio aplaudiu e ainda soltou um AEEEEÊ, MAMUSHKA. medo.

algo de estranho deve ter na água do prédio. se notarem algum comportamento incomum em mim, avisem.

23.3.04

A MUDANÇA

ai, coragem de ir buscar o resto das minhas coisas lá no seo-buda-new-generation-crazy-people-underground - só pra dar uma de hélio. tou dormindo num colchão bagaceiro há quase um mês e já tem quase um buraco onde a bunda se acomoda. acordo doída, como se tivesse levado uma pisa. isso sem falar nas roupas se amassando naquela mala.

meu problema é tempo e abdicar do descanso do fim de semana pra fazer mudança. mas vou resolver isso esses dias de noite, contando com a ajuda salvadora do amigo melo. te devo uma cervejada.

mas fora isso, tá tudo muito tranqüilo. com a distância dos points de badalação e a dificuldade de arranjar carona pra ir pros cantos, tenho saído bem menos. durante a semana tou ficando em casa e dormindo cedo, o que é ótimo e economiza uma grana...

e a madalena é um bairro bem legal. mas apesar da tranqüilidade, já soube de vários casos de assalto por ali. tem o velho caso de arthur, que levou um tiro na perna ali no mercado da madalena sem ter feito porra nenhuma. fora os inúmeros casos de assalto.

o carro de júlio ficou estacionado na frente do prédio na madrugada de sexta pra sábado. todos dormiram bêbados no chão da sala. de manhã liga xandinho dizendo que a polícia tava embaixo do prédio com o carro DEPENADO. na hora, obviamente, imaginei o carro todo batido, um papel alumínio amassado. depois imaginei ele sem nada, sem pneus, sem as coisas de dentro. foi o tempo de acordar, sentir a cabeça pesando e me recompor. depois pensei "o carro de júlio não tem nem som. o que os caras podem ter levado?". descemos. os caras se deram mal, porque a única coisa que poderia ter valor era o celular de júlio. e ter levado aquilo foi até um favor que eles fizeram à humanidade.

o fato é que tenho andado por ali um tanto apreensiva. quando vou e quando volto do trabalho, ando olhando com cuidado pra todos os lados e desconfio de qualquer um que passe de bicicleta. tá meio foda. mas penso também que morava numa das áreas mais perigosas do centro e nunca nem fui ameaçada. pode ter sido só sorte, também.

22.3.04

BAL MASQUÉ

19.3.04

TATUAGEM

flávia quer tatuar uma frase de nick cave que na verdade é de um tal de jesus cristo.

eu queria tatuar uma palavra. ainda não me decidi qual. tem ser bonita, forte, sonora e com um significado massa. vou dar uma folheada num dicionário.

em português. mas pode ser em outra língua. dêem sugestões.

pensei agora que podia ser schadenfreude.
ME SEGUREM



porque se me der a louca, dentro em breve estarei com o cabelo da jean seberg.

18.3.04

LISTA DE PRESENTES

como muitos sabem, meu aniversário tá chegando (12 de abril). já que vou fazer 24 anos e essa é uma idade muito confusa na vida das pessoas, vocês têm que me tratar bem. por isso, acho que alguns de vocês podiam se juntar e me dar a cuddles, a coelhinha com pantufas de coelhinho do happy tree friends, com cabeça e bracinhos que se quebram e ainda sai tripa pela barriga!

eu ia realmente ficar muito feliz.

16.3.04

MOMBOJÓ

acho que só ontem eu me dei conta de como o mombojó evoluiu. eu, como "irmã" e "amiguinha" de alguns, acompanho os meninos desde o comecinho. meu irmão sempre deu muita importância às minhas opiniões a respeito de música em geral e me chamou pra assistir a um dos primeiros ensaios, lá pelos idos de 2001. até comentei com o rafa que aquela foi a primeira banda dele que eu havia gostado, apesar do nome de SABÃO EM PÓ (alguém lembra que a banda se chamava mombojó RAGAJÁ? eu diria que toca afoxé todo domingo na cantina z4).

desde aquele ensaio botei fé nos moleques. e não é puxasaquismo, que eu não tenho disso. saí do estúdio com uma ótima impressão da banda e um pressentimento bom. fui pra todos os shows que pude, apesar de sempre me achar a "irmã chata do pirulito". ouvi as primeiras demos achando tudo muito legal.

ontem achei na bagunça da mudança de casa um cd entitulado FESTAS JUNINAS, com umas 15 ou 16 músicas com nomes estranhos. e coloquei o cd pra tocar. era uma demo que eles gravaram em 2002, pouco antes do festival de inverno de garanhuns, onde tocaram em julho. algumas músicas entraram no nadadenovo com outros nomes, outras eles só tocam em shows.

eu, que numa primeira audição, achei o nadadenovo muito "produzido" (se é que vocês me entendem), vi como era essencial aquela maquiada toda. na verdade, o que eu tomei foi um susto, acostumada a vê-los ao vivo com aquele peso todo. vi a flautinha soando suavemente, uma guitarra limpa, a voz de felipe mais suave e afinada. apesar deles serem muito bons ao vivo, a produção no cd me fez ter uma outra visão da banda.

o festas juninas foi gravado ao vivo num estúdio e tem a mesma força dos shows. mas o nadadenovo traz novos (e melhores) arranjos pra músicas que já existiam, e eu encarei isso totalmente como um amadurecimento. foi legal ter ouvido essa demo justamente por poder perceber esse aperfeiçoamento no som da banda. o festas juninas é bem mais samba do que o nadadenovo, que é rock pra caralho com toques de samba muito sutis. mas isso não significa nada demais.

agora eles tão aí com tudo. vão tocar novamente no abril pro rock, depois de terem sido a banda revelação do festival, em 2002. vão dividir o mesmo palco (no mesmo dia) que o pixies no curitiba pop festival, em maio. o nadadenovo tá vendendo bem e a partir de abril estará nas bancas - acompanhando a outracoisa, revista de lobão - pela bagatela de R$ 11,90. estão na sua melhor fase e têm tudo pra crescer bastante musicalmente pois todos têm muito talento. e fazer muito sucesso. aposto todas as minhas fichas nisso. só espero, de coração, que sucesso não signifique boçalidade e arrogância.
ALCOÓLATRA?

preciso confessar minha vontade de beber cerveja na hora do almoço. hoje, ao passar na frente do trailerzinho aqui da esquina e ver dois camaradas de deliciando com uma gelada, tive vontade de me sentar com eles e entornar uma breja amiga. como eu sei que um copo não existe e suor de cerveja não é lá das coisas mais agradáveis, ainda mais quando você tem que voltar pro trabalho, deixei o desejo pra uma próxima vez.
COMUNICAÇÃO

15.3.04

BORRACHOS


joão e eu (em cima) e eu e grégoire (embaixo), fazendo careta, pra variar, e comendo nachos.
reparem na alface entre os meus dentes. que feio, hein?
ENTERRO DO PREÁ

estava eu em minha maravilhosa e tranqüila tarde de sábado, na minha nova morada com meu bebê come e dorme da estrela, ouvindo, entre georges brassens e jacques brel, um luíz gonzaga básico. foi quando resolvi prestar atenção na letra dessa música, que é umas das minhas preferidas dele:

siri jogando bola

vi dois siri jogando bola
lá no mar
vi dois siri bola jogar
lá no mar

fui passear no país do tatu bola
onde o bicho tem cachola e até sabe falar
eu vi um porco passeando de cartola
um macaco na escola ensinando o be-a-bá

lá no mar
vi dois siri jogando bola
lá no mar
vi dois siri bola jogar
lá no mar

eu vi um péba de batina e de estola
vi um bode de pistola numa farda militar
vi um mosquito ser pegado pela gola
e ser preso na gaiola
por ser bêbo e imoral

lá no mar
vi dois siri jogando bola
lá no mar
vi dois siri bola jogar
lá no mar

eu vi um sapo balançando uma sacola
num salão pedindo esmola
pro enterro dum preá
vi uma porca com dois brinco de argola
de batom, mas que graçola
dando beijos num gambá

lá no mar
vi dois siri jogando bola
lá no mar
vi dois siri bola jogar
lá no mar

numa oficina vi um rato bater sola
repicando na viola eu vi um tamanduá
vi um veado com dois par de castanhola
vestidinho de espanhola
requebrando pra danar

lá no mar
vi dois siri jogando bola
lá no mar
vi dois siri bola jogar
lá no mar

vi um elefante cozinhar na caçarola
almoçar, todo frajola, e a dentuça palitar
vi um jumento beber vinte coca-cola
ficar cheio que nem bola
e dar um arroto de lascar

lá no mar
vi dois siri jogando bola
lá no mar
vi dois siri bola jogar
lá no mar


acho que o velho gonzagão - que deus o tenha - tomava muito bromil xarope pra ter essas idéias. grande música.

12.3.04

FAZ PARTE

hoje eu comi sarapatel
no almoço
estava gostoso
viva as comidas

foi impossível não lembrar no episódio no famoso restaurante perto da reitoria, o remoso. tinha a famosa moça de bigode que coloca as carnes e eu nunca vi um sorriso embaixo daquele bigode. amargura. aí teve esse dia que teve sarapatel na partes CARNES e obviamente quem colocava o dito cujo no seu prato era a tia de bigode. havia algo branco suspeito no sarapatel e resolvi perguntar "o que é isso?". ganhei como resposta um genial FAZ PARTE.

como era bom o meu remoso e a minha ameba estela. dá saudade, até, aquela coisa que os gringos chamam de nostalgia.

11.3.04

SAUDADE

agora entendo porque essa palavra só existe no nosso dicionário: gringos não sentem saudade.
ARREPIO

foi o que eu senti quando soube que benicio del toro, o MEU NICINHO, tá namorando a scarlett johansson. já não basta aquela GORDA estar roubando os corações de todos os MEUS HOMENS, agora mais esta pra completar o quadro. te pego na saída e te enfio mais celulites, sua OXIGENADA.

9.3.04

AFTA NO CU

eu sei que as pessoas vão me chamar de hipocondríaca (principalmente dona flavia), mas fui no médico novamente hoje (o quarto em uma semana). não dava mais. a tosse já faz dez dias que tá rolando, não me deixa dormir direito, sem falar que é um saco tossir. dói a barriga e a garganta, que já não tá lá essas coisas. hoje amanheci com uma dor horrorosa nela, sem conseguir falar direito e doendo pra engolir.

o médico examinou e viu a coisa: uma afta gigantesca na garganta. isso é lá lugar de sair afta? a laringite que eu já estava permanece (ou seja, o antiinflamatório não adiantou de nada na inflamação e foi o causador das aftas) e a tosse também. o problema tá mais grave e vou entrar no antibiótico. 3 dias de antibiótico fortíssimo pra ver se essa moléstia sai de mim de uma vez.

puchkin, não é dessa vez que eu vou morrer de tuberculose. mas você será o primeiro a me visitar quando eu estiver enferma.
ONHA

a maior pesquisa realizada sobre o consumo de maconha, segundo o no mínimo. respondam os não vivem sem dar um peguinha.
AJUDINHA

pessoas, preciso de um favorzão. quem tiver algum desses cds em casa (ou conhecer alguém que os tenha), queria saber se é possível escanear a capa pra mim, em boa resolução:

the clash - give'em enough rope
the jam - sound affects
siouxsie and the banshees - once upon a time

é, tipo assim, URGENTE PRA CARALHO.

valeo.

8.3.04

SOBRE SEXTA

não, eu não estive em formatura alguma. eu sequer gosto de uísque.

acho que rolou uma alucinação coletiva, viu?

5.3.04

TUDO DEMAIS TEM LIMITE

às 10h da noite, quando já tava me preparando pra dormir, meu amigo frutily liga:

- e aí?
- pô, tou meio cansada, tou doente e não queria voltar tarde.
- o que é voltar tarde pra tu?
- 1h da manhã na minha cama.
- menina, eu só quero ir lá, sacar, tomar uma cerveja e voltar pra casa. coisa rápida.
- hmm...
- vai, já tomei banho, tou aqui prontinho e cheiroso.
- ok.

tomo aquele banho de gato, boto uma roupitcha preta básica e vou mimbora.

chegando ali na sete de setembro, já vejo a lotação. muitos carros estacionados, várias pessoas na rua. prevejo o inferno, a pagação de pecados. mas vamos lá. o cheiro de espetinho predomina. perguntamos na bilheteria a que horas começaria o show. "daqui a cinco ou dez minutos". entramos. o lugar era todo coberto por caixas de ovos dessas de feira, de um azul acinzentado e de um verde desbotado. muita gente suada e feia. mulheres que mal cabem dentro de suas calças. a cerveja é kaiser, quente e dá muito trabalho pra se conseguir uma. alguns mancebos ensaiaram umas cantadas criativas, como "e aí, estudiosa". cada um tem seu par no braço ou à vista. o clima é meio tenso, mas tudo bem, eu estou sóbria e doente.

me senti completamente por fora naquele lugar, a própria menina com cara de farinha láctea e sucrilhos. acho que nunca tinha sentido isso tão na pele como ontem à noite e preferia ter ido em outra situação de saúde e sobriedade, pra poder me enturmar mais com aqueles espécimes. em outros momentos, me senti a própria antropóloga boçal, analisando aquelas pessoas como alguém superior, que estava ali fazendo uma pesquisa para a dissertação do mestrado.

a banda começa a se preparar no palco. todos vestem um terno marrom muito feio com uma camisa verde bandeira por dentro. dão os primeiros acordes e começam a tocar, preparando a surpresa que estava por vir. de repente, entra ele: o CONDE.

o CONDE é um senhor de seus 55 pra 60 anos, cabelos tinturados com grecin louro mate, calça e camisa preta ensacada. ele é rei. sua dança é contagiante, porém os passos são tímidos. às vezes ensaia um cha cha cha frustrado, mas logo faz a pomba com as mãos. o movimento dos quadris é discreto, mas percebe-se todo o controle da situação. afinal, o CONDE é rei.

seu sucesso TUDO DEMAIS TEM LIMITE é entoado por todos. me lembrou muito uma canção do john frusciante, acreditem se quiser. a melodia é igual. influência?

CONDE saiu pré-candidato à prefeitura do recife.

4.3.04

INSTINTO DE FÊMEA

alguns sabem da vontade que se abateu sobre mim nos últimos tempos: a de EMPRENHAR. loucamente.

do sexo masculino: cuidado não! qualquer dia, no desespero, posso ser capaz de usar os MÉTODOS DARLENE.

3.3.04

TUDO AO MESMO TEMPO AGORA

todo mundo sabe que eu tou em processo de mudança. aos pouquinhos vou levando minhas tralhas lá pra madalena, onde vou morar. mas eu tinha que contar com todos os problemas do mundo, é claro.

primeiro essa minha doença que hoje descobri que é uma laringite - e a dor no peito decorrente dela e da tosse. os remédios que tou tomando - antiinflamatório e uma pastilha que com um monte de ina e paracetamol que aliviam a tosse - ambos dão muita sonolência e tontura. mal tou conseguindo trabalhar com essa leseira toda.

depois tem meu projeto de graduação. o último dia de trancamento é hoje, mas eu resolvi levar adiante. eu sei que sou capaz de terminar essa merda em 20 dias, eu sei - pelo menos tento me convencer disso todos os dias. vamos ver no que dá. nem que eu faça um trabalho merda - coisa que vai acontecer inevitavelmente - mas pelo menos me livro de mais esse peso.

é muita coisa de uma vez pra se estressar. ontem comecei a levar as coisas com flávia de motorista e nenhum homem pra ajudar no peso das caixas. fomos macho o suficiente pra fazer isso sozinha e agradeço a gentileza de aitzol que carregou muito peso até o segundo andar do prédio.

hoje eu não terei flávia de motorista. uma merda não dirigir há quase 5 anos. alguém se habilita a dirigir o carro de mamãe? ela tá em brasília e o clio novinho e macio dela tá parado lá no seo buda.

agora tou aqui implorando por carinho, costinha e cuidados.

2.3.04

MEU PEITO DÓI

não, não tou com câncer nem sofro por amor. só tou com uma tosse de cachorro fuderosa. e meio surda também.
FINDI

o meu bota fora foi maravilhoso. quase todas os presentes em estado avançado de embriaguez, som legal, cerva a rodo(tá, teve uma hora que acabou realmente), as poquitas, o som primoroso de javier. tudo lindo até a hora em que dancei tanto ska, suei toda a água do corpo, subi pra tomar um banho e capotei na minha cama, só de calcinha. acordei às 1h30 da manhã completamente atônita, sem saber quem era, onde estava, o que havia acontecido e porque eu estava nua. desci pra ver se havia algum resquício de festa. tudo escuro. lin e renata dormindo no quarto de antonio. greg não estava do meu lado e havia um bilhete fofo debaixo do travesseiro, algo como "tive muito fome e voltei para minha casa pegar coisas de nadar". voltei a dormir.

mal acordei no domingo, já estava descabelada e de biquíni indo pra maracaípe. na maior ressaca do mundo. parecia que tinha levado uma surra de tanta dor nas costas. e ainda ensaiando uma gripe, ou qualquer uma dessas viroses pós-carnavalescas. o dia lá foi maravilhoso. nunca tinha ido ao pontal de maracaípe, não imaginava que era tão lindo. poderia passar o dia inteiro olhando aquela porção redonda de água paradinha, o mangue ali do lado e aquele monte de terra com vacas pastando se os bares dali ajudassem. lata de cerva a dois reais não dá. decidimos ir pra beira da praia mesmo, tomar caldinho de aratu e cerva geladíssima conversando amenidades e tirando fotos.


a mais AMOSTRADA sou eu

a brincadeira toda acabou com os meninos brincando de CUSCUZ*. às dez da noite, quando aportei em casa, eu mal agüentei ver o fiasco do oscar. só lembro de ter acordado quando sean penn ganhou a estatueta de melhor ator.



*cuscuz é uma violenta brincadeira infantil que consiste em fazer um bolo de areia no chão com um pedacinho de madeira ou algo duro e pontudo (ôpa) em cima. as pessoas vão tirando pedaços do monte até que um infeliz tirará o pedaço que fará com que o pauzinho caia. o incauto deve correr até uma mancha pré-estabelecida para que não apanhe dos demais participantes. como essa é uma tarefa árdua e quase impossível, o pobre sujeito acaba caindo no chão e levando porrada de todo mundo.

1.3.04

DROGA

eu tinha escrito um post sobre esse findisemana seqüelado mas ficou no trampo - e lá tava sem internet de manhã. é que voltei pra casa pra ir num otorrino. tou com uma tosse fudida desde ontem que dói meu peito. e tou com dificuldade de engolir (ôpa) as coisas.

voltei pra casa direitinha. o remédio que o doutor passou eu já tava usando. então fui ali na méqui comprar um cheddar (e voltar correndo pra ter dor de barriga em casa) e nos dez minutos que passei na rua, não havia mais ninguém em casa. detalhe: não levei chave, nem celular e todo o dinheiro que tinha eram R$ 0,80 - o troco do lanche. tentei arromar - em vão - a porta da cozinha e resolvi amargar no quintal. sentei no chão e comi meu lanche, quase chorando. comer no chão é muito ruim. ainda mais que tá tudo sujo aqui desde a festa de sábado. foi quando tive a brilhante idéia de ir atrás de um chaveiro.

eu às vezes me surpreendo comigo mesma e minha inteligência.

fui atrás do chaveiro aqui na esquina e tive que esperar em pé pelas sete chaves que o sujeito tava fazendo. depois do serviço, ele pegou uma maletinha com uns quinze projetos de chave pra a porta da frente e mais um monte daquelas chavonas pra tentar abrir a porta de trás. e lá fomos nós, eu e seu joão.

seu joão é um tipo simpático, velhinho, cara de honesto, que trabalha há anos no ramo das chaves. exalava um certo odor de cana, mas não o reprimi por isso. parecia fazer seu trabalho com boa vontade e fui com a cara dele. tive medo de vir sozinha com um sujeito que nem conheço pra tentar abrir minha casa, mas sei que meu santo é forte e não vai acontecer nada demais. afinal, gostei do seu joão.

chegando aqui, seu joão testou todas as quinze chaves na porta da frente e nada e mais o monte de chavonas na porta de trás e nada - achei que um chaveiro resolveria o problema em segundos, mas não foi bem assim. como meio caminho já estava andado - a porta semi-arrombada - seu joão não teve trabalho algum pra terminar de arruinar com a porta da cozinha. ele ainda teve que contar com a minha esperteza mais uma vez pra fazer o serviço direito.

depois de arrombada a porta - por que eu precisei de um chaveiro pra arrombar a porta? - dei dez conto a ele pra tomar a cachaça com passarinha no fim do dia porque seu joão também é filho de deus.