27.6.05

lama

acho que a sensação de ir no inferno e voltar, de crer que se está num pesadelo mesmo sabendo que não está acontece poucas vezes na vida da pessoa. eu não sou uma pessoa companheira de aventuras e pra completar o quadro, sou sedentária pra caralho. logo, nunca me chamem pra fazer trilha, andar quilômetros pra chegar numa cachoeira e voltar ou ir pras piscinas naturais de uma praia linda onde você tem que andar 8km, e nadar um monte. eu amo a natureza, mas ela lá e eu aqui. ou então, se tiver um jeito pouco cansativo de chegar até ela, tudo bem.

mas, mesmo assim, entrei numa fria nesse são joão. era noite em gravatá, eu e carlós inventamos de ir pra uruçu mirim, a poucos quilômetros de gravatá. subindo mais 500m e numa estrada de barro péssima. sem iluminação. já viu, né? acrescente aí que choveu no dia anterior e tinha poças e lama em alguns trechos. sem falar nas várias bifurcações da estrada - sem sinalização nenhuma. era um exercício de intuição. e um pouco de quem tem boca vai e arromba.

erramos o caminho uma vez, quase caímos de moto na lama. chorei, tive cãibra nos dedos do pé. tive vontade de deitar na estrada e dormir ao relento, de tanto ódio. mas conseguimos chegar, um dia. a estrada era só o farol da moto e as estrelas no céu. se desligasse o farol não se via um palmo a frente. muito escuro, muito medo, muito pesadelo demais aquilo. podia ser lindo mas não era.

acordei do pesadelo numa linda fazenda a 500m de uma cidade com rua asfaltada. tava frio pra caralho. minhas costas, pernas e punhos doíam, mas valeu a pena chegar lá. tinha fog. de manhã, a vista era realmente premiada. os montes verdinhos ali de cima, tudo com as nuvens passando. a geada às 7h30 da manhã. pisei em bosta de vaca e de cabra. vi os búfalos. são lindos, aqueles chifres chiquérrimos. pena não poder ficar uma semana só descansando ali.

Nenhum comentário: