5.7.05

me digam que eu sou normal

acho que toda criança tinha aquelas paranóias supersticiosas, tipo: se eu não bater com a cabeça na parede 7 vezes seguidas, minha mãe vai ser atropelada por uma mercedinha e vai sofrer bem muito antes de morrer. eu tinha minhas superstições, que eu inventava sabe-se lá por que, mas não eram tão bizarras assim. até hoje, por exemplo, eu uso um anel que eu comprei em salvador, um pra mim e um pro meu namorado da época. o dele já quebrou e o meu continua aqui no dedo. já engordei e o anel continua aqui espremendo meu anelar. eu não tiro porque acredito que algo de ruim pode me acontecer. em proporções menores, as superstições continuam.

eu queria saber de vocês, amiguinhos, quem ainda tem essas coisas e quando elas pararam de ser doentias.

Nenhum comentário: