15.12.05

causo médico

acho que quanto mais eu me preocupo em não ter as quisila, mais elas aparecem. e as pessoas me chamam de hipocondríaca. não, pérsoal, as doenças me perseguem, tou dizendo.

alguém conhece alguma pessoa adulta que ainda tenha brotoeja?

minha mãe conta que eu era a criança mais alérgica do mundo. tinha alergia a proteína animal, o que deve ter feito de mim a criança mais frágil do mundo, tomando o leitinho azedo de soja. depois passou. compenso comendo carne de bode sempre que dá.

cresci e desenvolvi outras alergias. minha rinite é uma coisa de louco. corante, conservantes, chocolate e galinha tão na lista, mas deve ser mentira. tenho alergia a crustáceos, o que é uma tristeza por não poder ficar com o cotovelo preto de comer caranguejo na praia. mas o camarão eu não sinto falta.

já pensaram como camarão é comida de pobre? é a comida chique do pobre. nunca entendi essa tara que as pessoas têm por camarão. peramordedeus, é só um pedacinho de nada com um cocô em cima. e ainda é remoso. e pode dar edema de glote em qualquer um. eu vou lá me arriscar com um troço desses?

enfim. a pessoa das alergias sou eu.

e aí que sexta e sábado eu fui à praia e um determinado momento eu me revoltei e não quis mais usar protetor. resultado: brotoejas.

no braço e na barriga, bolotas coçantes. comichão do caralho. a do braço irritava mais enquanto as bolinhas da barriga, bem, eram só bolinhas.

e as brotoejas do braço desapareceram com uma tal pomada anti-alérgida e que alivia prurido. as da barriga permanecem lá, intactas. do mesmo jeito que apareceram.

aí cecília inventa de tomar um fenergan e quase não consegue levantar de manhã, de tanto sono. e as bolas continuam.

como não passa com pomada e nem com remédio de uso interno, o que fazer? segura na mão de deus e vai. foda é que vou passar 15 dias numa casa de praia, tomando sol, comendo mal e o medo dessas coisas piorarem é grande. quer saber? minha vida só volta dia 2 de janeiro: foda-se.

Nenhum comentário: