3.8.06

>:

não sei se é pior isaurar numa agência e nunca receber pelas trezentas horas extras que você já deu ou se trabalhar numa empresa onde existe um banco de horas leal. eu sei que eu já quis a morte de ex-chefes por me fazerem trabalhar além do horário e não receber porra nenhuma por isso. mas banco de horas é honesto demais pra mim.

tudo começou com o recesso de fim de ano: uma semana de folga - a ser compensada no banco de horas. mas haviam as férias coletivas: duas semanas de folga a serem compensadas no banco de horas. as férias coletivas foram canceladas, mas alguns pobres funcionários compraram passagens para visitar a família na colômbia, ou já tinham viagem marcada para a europa. bem, não foi exatamente meu caso. eu só tinha me juntado a mais 20 amigos e alugado uma casa ali na praia de peroba. pobre é foda, né? enfim, o fato é que os funcionários que haviam se programado para as férias coletivas podiam prosseguir. os demais, entrariam na leva do recesso de fim de ano de 40 horas.

ok. começo o ano renovada, depois de 15 dias na praia, disposta a pagar todas aquelas 80 horas rapidinho. meia hora extra por dia não dói, num instante eu pago. o tempo foi passando, a pessoa vai relaxando, a pessoa vai pra médico todo dia, a pessoa é lerda. resultado: a pessoa deve 69 horas, depois de 7 meses. em 7 meses eu não consegui pagar nem 20, nem míseras 20 horas. tou fudida.

aí fico pensando: será que aquelas tão choradas horas extras que eu fiz de graça não foram melhores do que dever tanta hora no escorreito banco de horas da firma? eu juro que eu pagaria em dinheiro pra essa droga se regularizar.

só me tranqüiliza saber que tem gente aqui em pior situação que eu.

Nenhum comentário: