31.3.09

boa notícia

"a música é como o amor, não tem fronteiras; é também como pensamento que jamais terá premeditação alguma porque a morte também não tem. lindo é saber viver" (hermeto pascoal)

a partir dessa semana, nosso querido hermetinho vai começar a liberar toda sua discografia (34 álbuns) para download. espero que aprendam com o gênio. vou chorar ali no cantinho e já volto.

update: a carta feita pelo próprio hermeto: 



:~~~~~~

30.3.09

make em 5 minutos

sei que o vídeo é meio velhinho, mas nunca é tarde pra aprender coisas novas: 

29.3.09

serginho, tiamo



ele bem que poderia estar no cearenses internacionais, né?

28.3.09

pois é,

quando penso que tava errada esse tempo todo, achando que tinha encontrado uma gata legal no mundo, o destino prega uma peça dessas comigo. porque, né? como eu é que eu não tinha desconfiado que não existe gata fêmea que não seja completamente surtada (bem como qualquer fêmea de qualquer espécie)? mia era legal demais pra ser menina.

update sexual dos gatos

aí que hoje foi o triste dia em que os gatos vão ao veterinário, e todo aquele esperneio dentro do carro, querendo arrancar a grade do viajante. aquele drama, né? chegando lá, na hora da vacina, veterinária que não estava lá semana passada é chamada pra ajudar a segurar meus pimpolhos. e eis que a mesma olha pra perseguida de mia e diz "oi, esse aqui é macho, olha aqui os testículos". oi? toda uma vida (10 dias) crendo que mia era minha florzinha agora vem a doutora de animais e diz que ela é um menino? isso é muito duro pra uma mãe, aceitar. minha wendy carlos.

mas enfim. passado o susto, estamos nos acostumando com a idéia de ter dois machos. foi até bom, né? porque a gente já ia ter que gastar mais dinheiro ainda (mais do que a gente já gastou até agora com eles. puta que pariu, gasta mais que menino pequeno, vou te contar) com a esterectomia e não vamos mais. ê! ainda comentei com tarta essa semana (veja intuição de mãe como é): "imagina se abrem mia e não encontram nada lá dentro?". mas claro que daqui pra lá mia já ia estar desfilando pela casa com dois ovos pretos. e eu já ia desconfiar que essa coca não é fanta, definitivamente.

e eis que chegamos ao nome: nestor.

26.3.09

circulou pelos tuítes essa semana



as 101 coisas que você deveria ter visto na internet. e se não viu, veje.

24.3.09

vasco e mia




chegaram quarta e já tomaram conta da casa. mia é a mais marronzinha de orelha escura. vasco é esse do olho dodói. meusamô pulguento que ainda pesam 1kg.

22.3.09

mullets, cerveja de litro e bife de chorizo

stella artois de litro. só faltava ser mofada

de volta à vida e ao trabalho, depois de 3 semanas de férias, duas das quais estive na argentina e no uruguai e uma resolvendo pepinos em recife mesmo. coragem pra voltar a malhar e voltar pra ioga ainda não tive, mas devem chegar junto no bolo do vida real life style que se iniciam. espero.

mas buenos aires foi foda, 15 dias que pareceram meses. a cidade é linda, a comida é foda e todos aqueles clichês que todo mundo sabe mesmo sem ter pisado lá. mas tem coisas que você só sabe vendo.

os mullets, por exemplo, aquele lugar comum de meninos latinoamerica, em bsas você vê como é real. não importa a classe social, todos usam. e não são aqueles mullets terríveis de maradona anos 80, são mullets moderninhos, até embelezam (mais ainda) o cidadão. aliás, que coisa esses argentinos têm, uma elegância natural. acho que é o bife de chorizo, só pode. as mulheres são belíssimas sem precisar se emperiquitar tanto. senti uma leve semelhança com são paulo, com a diferença que são paulo é uma província em grandes proporções e, como tal, as pessoas precisam de altas produções pra aparecerem mais que as outras. bsas não, as pessoas são naturalmente estilosas e elegantes, tanto andando na rua como num restaurante chique. era até estranho andar na rua com tanta gente bonita. dava uma certa vergonha.

algum prédio bonito que fazia esquina com a calle florida, onde ficamos.

outro clichê que você comprova em um ou dois dias: argentino come muita carne. mas come bem. um prato num restaurante serve bem duas pessoas normais. e não é qualquer carne, é carne boa, bem feita, suculenta. qualquer birosca de beira de esquina tem a melhor carne do mundo. e a parrilla, minha gente? que coisa linda aquilo.

ele, o bife de chorizo. essa é a METADE de um prato.

uma parrilla sem muita carne, mas dá pra ter uma idéia

mas o que achei massa mesmo em bsas é poder andar na rua sem medo. sem medo de se perder, sem medo de um louco correr atrás de você com uma faca. as ruas são muito bem sinalizadas, os quarteirões são quadradinhos, não é essa bagunça urbanística de recife. o centro é muito bem movimentado até de madrugada e ninguém mexe com você se você não der trela. mas ao mesmo tempo sinto uma coisa muito maquiada, uma pobrezinha debaixo do tapete, coisa que não vi tanto em montevideo, onde tá tudo espalhado mesmo, na cara.

vista da plaza de mayo

em bsas a gente fez todos os passeios turísticos regulares, dentre eles ir ao caminito, ao puerto madero, a palermo, recoleta e san telmo na feirinha de antiguidades. até ver tango a gente viu. lógico que não pagamos 200 pesos por um show de tango, que eu não dei na minha mãe. fomos num tango "alternativo" de 15 pesos e diversão garantida.

o caminito é a coisa mais turística que vi em toda a cidade e deixamos isso justamente pro último dia. os garçons abordam você na rua (se percebem que você é brasileiro) com um "senta aí pra tomar uma cervejinha geladíssima com pastel", como se em buenos aires tivesse cerveja geladíssima em algum lugar e pastel, neam? aliás, empanada é uma coisa que realmente não tem padrão de qualidade. comi umas maravilhosas e outras péssimas, de massa folhada e crocante a dura e seca. não tinha nem como saber.



caminito

o passeio o tigre a gente resolveu fazer via terrestre, pelo trem de la costa, porque eu enjôo em barco. mas achei muito mais legal porque você pode ir parando nas estações, conhecendo os lugares e depois é só pegar o próximo trem, que passa a cada meia hora. a melhor parada foi em peru beach, uma praia onde tem aulas de windsurf, hippies limpinhos e bares com cerveja gelada. almoço foi choripan com stella artois de litro :~~~~

uma das estações onde pára o trem de la costa

outras paradas eram legais pra ver as casinhas distantes do centro de buenos aires, todas lindas e com jardinzinho na frente, as criancinhas de farda xadrez saindo da escola, os cafés ótimos. e no final, no tigre, entramos no cassino TRILLENIUM. comprei 20 pesos de fichas e fiquei me divertindo no jackpot. uma pena que o ambiente seja tão deprimente, cheio de velhos viciados e vidrados naquele barulho repetitivo. mas valeu a experiência.

outra aventura foi a ida a luján, pra o tal zoológico onde o serumano entra nas jaulas dos bichos. a idéia parecia legal, divertida, mas pra já começou a parecer roubada quando soube que o zoo ficava a 70 km de bsas. e que iríamos de trem pra lá. o trem deixaria a gente na cidade de moreno onde pegaríamos outro para luján e da estação daríamos um jeito de chegar ao zoo. já comecei a enjoar no trem, sentada de costas para o sentido no qual ele estava indo. na estação moreno, uns malinhas argentinos começaram a circular (qualquer um entrava na estação, qualquer um pegava o trem, não havia controle algum) e depois de bem uns 40 minutos de espera pelo trem pra luján decidimos tomar uma atitude. saímos da estação e avistamos dois carros parados com uma placa escrita à mão TAXI. ok, vamos perguntar quanto fica uma corrida até luján já que nem taxímetro o voyage 88 tinha. nego leva a gente por 50 pesos, dirigindo aquele carro a 120 por hora. imaginei o melhor (um acidente mortal) e o pior (a gente no matagal sendo estuprada pelo velho e depois sendo retalhada com gilete). mas chegamos no zoo sãos e salvos e 50 pesos mais pobres.




o lugar era uma beleza, uma grande fazenda cheia de cocô com patos soltos e famintos por todos os lados, algumas jaulas com bichos onde você pode entrar, fazer carinho e tirar sua foto com cara de tabacudo. porque, né? não há aquele que consiga se sentir seguro, feliz e satisfeito alisando um leão, por deus. eu mesma não entrei, mas fotografei tarta, heitor e angela. depois, um passeio no elefante (toquei também) e uma batata frita oleosa e nojenta acompanhada dos patos pidões. mas foi ótimo, mesmo, apesar de tudo.

de buenos aires a gente pegou um barco pra colonia del sacramento. cidade linda, toda antiguinha e romântica que em uma tarde você vê todinha. pensamos em pegar uma bike, mas estávamos com mochilas, então ia ficar meio ruim. saímos andando pela parte histórica, com casinhas lindinhas de muro de pedra, um farol com uma vista fantástica pra toda a cidade e pro rio del plata. no mesmo dia seguimos de ônibus pra montevideo.

as casinhas em colonia são todas lindas assim

montevideo me lembra muito recife. na bagunça, na falta de sinalização das ruas, nos taxistas grossos, na sujeira. uma cidade muito mais real do que bsas. e muito menos preparada pra receber o turista. mas eu gostei dos bares que fui, da cerveja, até do povo na rua fumando maconha eu gostei.

o centro tem coisas parecidas com toda cidade antiga: prédios enormes e lindos, um teatro da época colonial, praças grandes com alguma estátua de alguém importante. o mercado del puerto é uma delícia, cheio de lugares pra comer com a parrilla exposta, feito uma vitrine das carnes. só achei que a carne no uruguai não é tão boa quanto na argentina. acho que eles não sabem bem o que é uma carne ao ponto, porque veio quase esturricada. me senti tão no brasil.

mercado del puerto, em montevideo

de volta a colonia, foi a hora de pegar o barco. devidamente medicada com olcadil (porque eu tava tonta e enjoada antes do barco sair do canto, vejam só) e com cartola meu ipod, cheguei sã e salva no puerto madero, de onde seguimos de volta pro hostel. só deu tempo de cochilar uma meia horinha pra nossa última farra em buenos aires. san telmo, la resistencia, calor dos infernos. pelo menos deu pra se despedir dos amigos que vão ficar durante o ano por lá.

acho que buenos aires é uma cidade pra você voltar sempre e sempre. mas da próxima vez preciso planejar melhor o quesito deslocamento. porque 8h dentro de um avião é pedir demais de uma pessoa que ODEIA viajar de avião. é pedir demais de uma pessoa ansiosa por natureza, né? ainda mais de uma pessoa que tem uma crise de gastrite no dia de viajar e sai de casa fraca, sem comer e cagando litros (mesmo) a cada 10 minutos. mas o que importa é que tudo saiu dentro dos conformes, ninguém passou fome nem dormiu na praça, né?

e o melhor de tudo: não engordei nem 100g! \o/

UPDATE: as fota tudo estão no flickr.